Rio amplia monitoramento do ar e dias com qualidade boa caem 10 pontos percentuais

Em 2011, o Índice da Qualidade do Ar se mostrou regular em 42% dos dias, percentual que subiu para 47% em 2012, superando os dias em que a qualidade foi considerada boa
 

Rio amplia monitoramento do ar e dias com qualidade boa caem 10 pontos percentuaisA entrada de quatro novas estações de monitoramento do ar no Programa MonitorAr-Rio em dezembro de 2011 reduziu de 55% naquele ano para 45% em 2012 o percentual de dias em que a qualidade foi classificada como boa na capital. De acordo com relatório divulgado nesta quinta-feira (26/12) pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, os dias em que o Índice da Qualidade do Ar (IQA) apontou qualidade má subiram de menos de 1% em 2011 para 3% em 2012.

 

Em dezembro de 2011, as estações de Bangu, Campo Grande e Pedra de Guaratiba, na zona oeste, e de Irajá, na zona norte, passaram a fazer parte do programa. Na maior parte de 2011, a medição contou com as estações do centro, Copacabana, na zona sul, e Tijuca e São Cristóvão, ambas na zona norte.

 

Com a entrada das quatro novas estações, em áreas mais periféricas da cidade, o relatório diz que não é possível identificar se houve piora no município de um modo geral. Apesar disso, conclui que as quatro áreas acrescentadas ao programa sofrem mais que as primeiras com a poluição atmosférica.

 

Em 2011, o IQA apontou qualidade do ar regular em 42% dos dias, percentual que subiu para 47% em 2012, superando os dias em que a qualidade foi considerada boa. A qualidade do ar “inadequada”, constatada em 2% dos dias de 2011, dobrou de incidência em 2012, e foi para 4%.

 

A entrada das novas estações também mudou o perfil dos poluentes encontrados no ar carioca. Em 2011, as partículas inaláveis eram 59%, e o ozônio, 41%. Já em 2012, o ozônio saltou para 64%, as partículas inaláveis caíram para 33% e os dióxidos de nitrogênio apareceram na composição com 3%.

 

Poluente secundário, o ozônio é formado a partir de reações químicas entre os poluentes primários, principalmente entre os óxidos de nitrogênio e os hidrocarbonetos em dias de sol forte e de alta temperatura. A maior concentração de ozônio é encontrada no ar durante a tarde e prejudica o sistema respiratório dos animais e a fotossíntese das plantas, além de reduzir a visibilidade e danificar tintas, tecidos e borrachas.

 

Em Bangu e Irajá, onde foram verificadas maiores concentrações do poluente, a suspeita é que o tráfego na Avenida Brasil e na Rodovia Presidente Dutra sejam as principais fontes dos poluentes primários que reagem para formá-lo. Os meses de verão e primavera foram os que registraram ozônio acima do nível ideal.

 

A classificação da qualidade do ar segue a definição da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e leva em consideração os padrões de qualidade definidos pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), na Resolução nº3 de 28/06/1990.

 

No site do programa, também é possível consultar o Índice de Qualidade do Ar e a presença de cada poluente nas estações de monitoramento, inclusive durante 2013. O monitoramento se dá por meio de uma parceria entre a prefeitura do Rio de Janeiro e a Petrobras, iniciada em 2008.

 

Agência Brasil

0 comentários