Estado recupera áreas atingidas pelas chuvas e reduz riscos de desastres

Ações das secretarias de Obras e de Defesa Civil marcaram o ano de 2013
 

Em 2013, o Governo do Estado atuou com ações de prevenção e reconstrução na Região Serrana. Enquanto a Secretaria de Obras concentrou as intervenções para recuperar áreas atingidas pelas chuvas, a Secretaria de Defesa Civil promoveu operações para reduzir os riscos de desastres.

 O

Nas cidades mais atingidas, como Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, foram realizadas, entre 2012 e 2013, um total de 49 grandes intervenções de contenção de encostas. Outras dez ações deste tipo devem ser concluídas no primeiro semestre de 2014 no município de Petrópolis. Além disso, mais sete intervenções nas cidades de Nova Friburgo e Teresópolis têm previsão de conclusão para maio de 2014.

 

A Secretaria de Obras também entregará cerca de 4 mil unidades habitacionais até o fim deste ano, beneficiando milhares de pessoas da Região Serrana. O investimento total nas moradias é de R$ 527 milhões.

 

Com o propósito de prevenir possíveis danos provocados pelas chuvas, a Secretaria de Defesa Civil implantou, em 2013, um projeto inédito no país. Presentes em 42 localidades da Região Serrana, as Unidades de Proteção Comunitária (UPCs) – módulos operacionais de 30 metros quadrados equipados com computadores e telefones interligados ao Centro Estadual de Administração de Desastres da Defesa Civil – já beneficiam cerca de 50 comunidades dos municípios de Petrópolis, Teresópolis, Nova Friburgo e Bom Jardim. 

 

Investimentos na Serra ultrapassam R$ 2,6 bilhões

 

 Em 2013, a Secretaria de Obras esteve à frente de grandes intervenções de infraestrutura e reforma para atender às vítimas das chuvas que ocorreram nos últimos anos na Região Serrana. As obras, que totalizam investimentos de mais de R$ 2,6 bilhões, prosseguiram com força total em várias cidades nas áreas de contenção de encostas, obras de dragagem de rios e construção de moradias e pontes. 

 

O número de unidades habitacionais concluídas e disponibilizadas às famílias vítimas das fortes chuvas foi significativo. Em Nova Friburgo 966 moradias, entre apartamentos e casas, foram inauguradas. Obras em etapa avançada em Petrópolis e São José do Vale do Rio Preto também vão beneficiar cerca de 60 famílias; a entrega das moradias está prevista para o primeiro trimestre de 2014.

 

– O Governo do Estado está presente nas cidades atingidas pelas chuvas desde os primeiros momentos do desastre. Em parceria com o governo federal, estamos fazendo grandes investimentos, principalmente na construção de moradias dignas, na reconstrução e prevenção de episódios como aqueles ocorridos em 2011 – afirmou o secretário de Obras, Hudson Braga.

 

Seis pontes também foram concluídas no ano de 2013 pela Secretaria de Obras. No total, 60 estruturas foram entregues pelas secretarias de Obras e de Agricultura até agora. A secretaria e o DER (Departamento de Estradas de Rodagem), que vai erguer outras 26, têm investido recursos no valor de R$ 85,5 milhões na construção de pontes.

 

O Inea (Instituto Estadual do Ambiente) também realiza obras nos principais rios e canais, especialmente nas cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, que foram muito afetadas pelas enchentes. Em Nova Friburgo, estão sendo aplicados R$ 261,4 milhões em obras.

 

Já em Teresópolis, as intervenções estão orçadas em R$ 180 milhões. No município de Petrópolis também estão em andamento serviços no valor de R$ 75,8 milhões. 

 

Agentes comunitários conscientizam moradores

 

As Unidades de Proteção Comunitária funcionam 24 horas e contam com o apoio de 170 agentes comunitários que, devidamente qualificados pela Secretaria de Defesa CIvil, realizam treinamentos com moradores e auxiliam em processos de desocupação em caso de enchentes ou desmoronamentos, de forma a antecipar ações diante de um possível desastre. Além disso, permitem o auxílio direto no trabalho de conscientização da população com medidas de prevenção e de estratégias de evacuação em casos de riscos geológicos.

 

Com o intuito de preservar vidas e reduzir, ao máximo, a possibilidade de catástrofes, as UPCs são mais uma força de trabalho da secretaria dentro das comunidades. Elas permitem que as informações técnicas, alertas, alarmes e protocolos de desocupação sejam repassados diretamente para os moradores das regiões onde foram instalados o Sistema de Alerta e Alarme por Sirenes. 

 

Além disso, as UPCs ainda contam com o cadastramento de moradores e recursos, realizado pelos agentes comunitários, o que possibilita uma ação mais eficiente e eficaz em situações de risco.

 

– A instalação das UPCs na Região Serrana nos possibilita, a partir de agora, ter um braço operacional dentro destas áreas vulneráveis. Outro ponto importante e que contribuirá bastante para evitar os eventos adversos é a expansão do Sistema de Alerta e Alarme por Sirenes. Buscar a excelência no atendimento à população e minimizar os efeitos de um desastre, sempre com o foco na proteção de vidas e de bens, é o que rege o trabalho dos profissionais da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros – disse o secretário de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Sérgio Simões.

 

Governo do Rio

0 comentários