Faetec de Quintino ganha projeto para resgatar a memória da instituição

Ruas receberão nomes de quem contribuiu com a história da unidade
 

Localizado na Zona Norte do Rio, o complexo educacional da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) em Quintino Bocaiúva ganha este ano um presente à altura da importância histórica que tem. O imenso espaço de área total com cerca de 1.900.000 m², por onde circulam em média 7 mil pessoas por dia, recebe o projeto “Se Essa Rua Fosse Minha…”, que visa dar nome a 11 ruas homenageando antigos funcionários e, até mesmo, alunos que ajudaram a escrever essa história.

 

Uma pesquisa reuniu 16 nomes de antigos funcionários e de um ex-aluno do Centro de Apoio Especializado à Educação Profissional (Caep) / Favo de Mel, sendo todos já falecidos. A escolha dos 11 nomes está em votação até o próximo sábado, dia 18, pelo site: www.faetec.rj.gov.br/votaessarua. Idealizada pelo diretor da Escola de Artes Técnicas Luis Carlos Ripper, Marcelo Reis, que trabalhou em diversos projetos no complexo de Quintino, a iniciativa visa facilitar a localização das pessoas pelo campus.

 

“Os espaços no campus são grandes, além do que muita gente boa já passou por aqui. Essa é a junção de um serviço público bem feito e o resgate da memória da instituição. É importante saber quem passou por essas ruas. Para os jovens, elas se tornam um espelho, motivam para que continuem estudando e sejam bem realizados na carreira um dia”, comenta o diretor Marcelo Reis.

 

O projeto, que é desenvolvido pelo Centro de Memória da Faetec, já reúne mais de 90 mil votos. Pelo site, é possível conhecer um pouco da história dessas pessoas. Na disputa, dois nomes já se destacam: Edson Ferreira da Silva e Antenor Amâncio da Silva Filho. O primeiro foi chefe da Divisão de Patrimônio e é lembrado pelos ex-colegas de trabalho como um grande incentivador da capacitação dos funcionários. Já Antenor, que era doutor em Educação, chegou a ser vice-presidente de 1999 a 2002 e, ainda, compôs o Conselho Superior da Rede.

 

Para a coordenadora do Centro de Memória, Isabela Gaze, o mais interessante do projeto é fazer com que a memória daqueles que contribuíram para a construção da história seja preservada.

 

“A campanha tem o objetivo de mobilizar os profissionais da Rede e os alunos para que conheçam e valorizem nomes importantes que ajudaram a construir a instituição. Nosso papel é guardar a memória histórica e preservar esse patrimônio fazendo com que esses educadores sejam lembrados por seus trabalhos, coleguismo e contribuição intelectual”, explica.

 

Mais sobre a unidade:

 

Esse imenso complexo, que em 2013 completou 18 anos, abriga 17 unidades de ensino, como a Escola Técnica Estadual (ETE) República, o Centro Vocacional Tecnológico (Quintino) e a Escola de Música Baden Powell. O espaço já abrigou a Escola XV de Novembro, a extinta Funabem e o Centro de Educação Integral (CEI). A unidade fica na rua Clarimundo de Melo, n° 847, em Quintino Bocaiúva.

 

Governo do Rio

0 comentários