Hospital da Criança realizará cirurgia de correção de deformidade em orelha

Objetivo da unidade estadual é atender a cerca de 20 pacientes por mês
 

hospital-estadual-da-criancaO Hospital Estadual da Criança está oferecendo a ortoplastia, mais conhecida como cirurgia de correção da chamada orelha de abano. Pacientes encaminhados de unidades de Saúde Pública de todo estado estão sendo atendidos na instituição. A meta é realizar cerca de 20 procedimentos por mês. Inaugurado em março de 2013, o Hospital da Criança já é referência em cirurgias pediátricas nas áreas de transplante, ortopedia, geral e oncologia. No ano passado, já foram realizados 14.329 atendimentos, incluindo exames, internação e cirurgias.

 

“Este hospital é um exemplo da nova forma de entender o Sistema Único de Saúde (SUS). Alta tecnologia, equipe de especialistas altamente preparada e produtividade que garante o acesso da população aos melhores tratamentos. Acredito que a nova oferta de ortoplastia será um grande diferencial para as crianças que sofrem com este tipo de problema, que as estigmatiza no seu convívio social. Hoje, há pouca oferta deste tipo de serviço até na rede privada”, disse o secretário de Saúde, Marcos Musafir.

 

As correções de orelha são realizadas para minimizar deformidades, tentar corrigir assimetrias de forma, tamanho e angulação no caso do abano, em orelhas mal formadas de nascença ou que sofreram deformidades após um traumatismo. Deve ser considerada como reparadora, quando tenta corrigir um defeito, e ao mesmo tempo estética, pensando-se na busca pela harmonia de forma, volume e posição.

 

 

Para fazer a cirurgia de correção da orelha de abano, o paciente deve ser inserido na Central Estadual de Regulação, que fará o encaminhamento para o Hospital da Criança. A partir disto, será agendada consulta de avaliação ambulatorial e, em seguida, a marcação da cirurgia.

 

Estrutura

Com investimento de R$ 5 milhões em equipamentos e obras de adaptação, a unidade conta com 58 leitos de enfermaria, 16 de UTI neonatal, 9 de UTI pediátrica e 8 poltronas de quimioterapia, exames de ultrassonografia, tomografia computadorizada, ecocardiografia e broncoscopia e serviços de fisioterapia motora e respiratória, terapia ocupacional e apoio psicológico para pacientes e familiares. O hospital tem capacidade para realizar 8,4 mil consultas ambulatoriais, 3.360 procedimentos cirúrgicos de alta complexidade e 2,4 mil quimioterapias por ano.

 

Governo do Rio

0 comentários