Maracanãzinho recebe intercâmbio entre torcidas brasileira e alemã

Com apoio da Suderj, encontro serviu para troca de experiência, e modelo do Rio de Janeiro poderá ser expandido para outras capitais brasileiras
 

FTORJ 3

 

Alemanha e Brasil terão, a pouco menos de cinco meses, algo muito em comum: ambos os países terão sediado o maior evento do futebol mundial, a Copa do Mundo. Visando à troca de experiência, a Federação das Torcidas Organizadas do Rio de Janeiro (FTORJ), em parceria com a Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro (Suderj), promoveu, nesta sexta-feira (17/01), no auditório do Maracanãzinho, um seminário com representantes da Unidade de Coordenação de Projetos de Fãs (KOS), que realiza um trabalho socioeducativo com as torcidas nos estádios alemães. O vice-presidente de Esportes da Suderj, Rogério Pimenta, ressaltou que o órgão vem discutindo amplamente com a FTORJ e o Ministério dos Esportes como o poder público pode auxiliar na questão da não violência no futebol.

 

 

– O Rio de Janeiro tem um marco, que é a atuação do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe), que se tornou um modelo a ser seguido. Temos que pensar que só a repressão não é a solução e, sim, uma questão educacional para que haja um novo modelo de torcidas, sejam organizadas ou não. Promover estes fóruns de discussão é válido para que, cada vez mais, o Rio de Janeiro se torne um espelho para o restante do país – pontuou Pimenta.

 

 

A Federação de Torcidas é composta por dez organizadas dos quatro clubes do Rio de Janeiro – Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco da Gama – e tem um representante de cada time. Após graves incidentes envolvendo torcedores, a FTORJ foi criada, em 2008, com um objetivo de criar uma só voz no futebol carioca, além de cobrar ações para impedir novos atos de violência. Uma das iniciativas foi o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado em 2010, entre o Ministério Público e os torcedores. Uma pesquisa do Ministério do Esporte em 2013 aponta que o Rio de Janeiro é o segundo estado com maior número de torcidas organizadas, com 62 grupos. São Paulo lidera, com 106, e Minas Gerais está em terceiro lugar, com 51. A federação fluminense é a única no Brasil que reúne torcedores organizados para uma cultura de paz e harmonia.

 

 

– Depois do TAC e do Estatuto do Torcedor, temos leis mais duras que coíbem a impunidade. Não podemos banalizar a morte de um torcedor. Há quatro anos não vemos brigas nas arquibancadas em estádios fluminenses. Não podemos generalizar o torcedor de organizada e estamos fazendo essa interlocução com os órgãos públicos e os apaixonados pelo futebol – afirmou Flávio “Frajola”, vice-presidente da FTORJ, representante das torcidas do Fluminense.

 

 

O aprendizado de ter sido um país sede de Copa do Mundo, em 2006, despertou o interesse dos brasileiros na busca por informações sobre os novos modelos de comportamento de torcidas na Alemanha. Diferentemente do Brasil, um dos principais desafios de torcedores alemães é o enfrentamento do racismo e da intolerância religiosa entre os diferentes públicos que frequentam os estádios, enquanto, no país sede do Mundial de 2014, a preocupação está fora dos estádios. Atualmente, casos de violência são vistos, na maioria, durante o deslocamento das torcidas até o local das partidas.

 

 

Coordenador do projeto de intercâmbio alemão e porta-voz do grupo, Hans Fige destacou a inovação do Rio de Janeiro em ter uma federação que representa as torcidas e toda a interface entre as esferas do poder público e a sociedade.

 

 

– Um dos integrantes da equipe se mostrou surpreso ao ver que existe conversa entre a polícia e os torcedores. Estamos aqui exatamente para trocar e saber como o Brasil lida com as questões da torcida. Ela é muito importante para o universo do futebol, para a paixão – sinalizou Hans.

 

 

Estiveram presentes no encontro o subsecretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Eloy Ferreira; o coordenador de Cursos da Academia da Polícia Civil (Acadepol), Camilo Dorneles; o coordenador da Juventude da Prefeitura do Rio, Igor Bruno; e os quatro representantes da FTORJ: Luís Gustavo Cardoso da Silva, Flávio Martins Coelho, José Maria de Sá e João Rosa de Oliveira. O grupo de alemães, que visitou primeiro a cidade de São Paulo, também assistirá, no próximo domingo (19/01), a Flamengo x Audax, estreia do rubro-negro no campeonato carioca, no Maracanã e segue, no dia 20, para Fortaleza, onde também encontrará representantes de torcidas de clubes da região.

 

 

Secretaria de Estado de Esporte e Lazer | Assessoria de Imprensa: Paula Peltier e Everton Silvalima

 

 

0 comentários