Jovens acolhidos pela prefeitura deixam abrigos para conhecer o Rio

O Circulando nas Férias integra o projeto Circulando, iniciado em agosto de 2013, que tem como proposta oferecer a cerca de dois mil abrigados e usuários da rede de proteção social do Rio
 

Desenho, pintura, música, arte e muita diversão. Assim têm sido os passeios oferecidos a cerca de 120 crianças e adolescentes acolhidos em dez Unidades Municipais de Reinserção Social da Prefeitura do Rio, promovidos pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS). As atividades fazem parte do projeto Circulando nas Férias, iniciativa que tem oferecido a esses jovens atividades culturais, artísticas e passeios durante o período de férias escolares.

visitacao-de-menores

Desde a segunda quinzena de janeiro, os menores têm participado de visitas ao Museu Histórico Nacional, fábrica da Coca-Cola, Jardim Botânico, Casa do Pontal, Parque Lage, Maracanã, Teatro Municipal Ziembinski, Museu Chácara do Céu, Museu de Arte Moderna e à Escola de Circo (Cidade Nova). As atividades seguem até meados de fevereiro, quando a maioria retornará às salas de aula.

Em uma das visitas ao Museu de Arte Moderna (MAM), no Aterro do Flamengo, acompanhada de outros 15 abrigados (com idade entre 12 e 17 anos), a jovem C., 16 anos, há 6 meses na Unidade Municipal de Reinserção Social no Catete, aprovou a experiência e disse que pretende repetir o passeio:

Visita-de-menores2

“Esta é a minha primeira visita ao MAM. Já fui ao Parque Lage, ao Jardim Botânico, ao cinema e em outros lugares. Acho essas atividades muito interessantes e importantes também. Não basta só ter os passeios, tem que ter a parte cultural também, para acrescentar algo. Além disso, essas atividades nos tiram do ócio nas férias e ocupamos mais o nosso tempo. Participo sempre das atividades e vou continuar participando”.

De acordo com o coordenador do projeto, Felipe Barbosa, um dos objetivos da ação é fazer com que os jovens se sintam parte da sociedade:

“Nosso objetivo é levar atividades esportivas, sociais, artísticas e culturais para os jovens, oferecendo um cardápio de oportunidades que possam ser encaradas positivamente. Buscamos fazer algo que dê aos usuários a sensação de pertencimento da cidade, uma vez que muitos se excluem e se sentem excluídos. Queremos quebrar preconceitos dos abrigados com o público externo e vice-versa. Por isso, procuramos trabalhar com eles o aumento de repertório, de conhecimento, a construção da identidade e a elevação da autoestima, para que se sintam tão merecedores de estarem ali quanto as outras pessoas”.

No MAM, o menor M., 15 anos, acolhido há cerca de 1 ano na Unidade Municipal de Reinserção Social Cely Campello, em Jacarepaguá, participou de uma oficina de desenho e pintura, em que teve de retratar o Pão de Açúcar em contornos.

 

“Já fui ao Maracanã, à Casa Daros e ao cinema, mas em um museu é a primeira vez que entro. Museu de arte é uma coisa muito boa e o passeio foi muito interessante. A parte que eu mais gostei foi a de caminhar em cima dos telhados numa das exposições, pois temos que fazer com cuidado e demonstrar sabedoria para isso. Quero poder voltar aqui mais vezes”, contou, radiante.

Esse sentimento de “querer voltar” dos jovens sensibiliza e motiva o coordenador do projeto educativo do museu “Eu, Você e o MAM”, Luiz Pizarro. Ele conta que esse tipo de reação lhe dá mais empolgação para programar atividades diversas para os visitantes:

“Procuro desenvolver com eles atividades e oficinas que busquem entrar na questão da intimidade de forma lúdica. É brincar e jogar, construir e desconstruir, mostrar que nada é tão relevante assim. E isso faz com que eles se sintam à vontade, felizes e tenham vontade de voltar. Com as oficinas, eles interagem entre si, conversam, mostram o que fizeram um para o outro. É uma troca espontânea. Eles saem do seu universo e conhecem uma outra realidade”.

Durante as visitas ao MAM, por exemplo, os jovens conhecem a exposição panorâmica “Genealogias do Contemporâneo – Coleção Gilberto Chateaubriand”, que mostra parte do acervo do artista com peças que vão desde o período moderno até 1970. Ali, os menores têm contato com cerca de 100 obras em diferentes técnicas como pintura, escultura, fotografia, desenho e objeto, de 61 artistas renomados como Anita Malfati, Carlos Vergara, Tarsila do Amaral, entre outros.

 

O Circulando nas Férias integra o projeto Circulando, iniciado em agosto de 2013, que tem como proposta oferecer a cerca de dois mil abrigados e usuários da rede de proteção social do Rio – incluindo adultos e idosos, além dos jovens – diversas atividades culturais capazes de transformá-los em futuros agentes de transformação, com senso crítico, consciência e solidariedade. De agosto a dezembro de 2013, o projeto realizou mais de 147 passeios.

Prefeitura do Rio

0 comentários