Prefeitura lança campanha “Beijinho no Ombro e Camisinha no Bolso” para o Carnaval

cantora Valesca Popozuda, autora do sucesso "Beijinho no Ombro", é a madrinha da campanha
 

campanha-beijinho-no-ombroA Prefeitura do Rio lançou, nesta quarta-feira (26/02), o videoclipe institucional da campanha “Rio Carnaval Sem Preconceito — Beijinho no Ombro e Camisinha no Bolso”, organizada pela Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (Ceds). A iniciativa, que ganha as ruas na sexta-feira de Carnaval (28/02), faz um alerta para o crescimento do comportamento de risco e busca conscientizar as pessoas sobre a importância da prevenção contra doenças sexualmente transmissíveis.

 

Artistas, personalidades, empresários, jovens, casais e até grupos familiares participaram das gravações e mandaram, também, um recado direto contra todo e qualquer tipo de preconceito (homofobia, intolerância, racismo, discriminação, transfobia, injustiça, machismo, xenofobia, exclusão, segregação, violência, bullying). A cantora Valesca Popozuda, autora do sucesso “Beijinho no Ombro”, é a madrinha da campanha, que conta ainda com a participação voluntária de Lucinha Araújo, David Brasil, Lorena Simpson, Nicole Nandes, Clarisse Miranda e outros.

O coordenador da Ceds, Carlos Tufvesson, explicou que a ação é dedicada à prevenção do HIV e outras Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), com ênfase no público adolescente de 13 a 19 anos. Faixa etária que registrou o maior crescimento de contágio pelo HIV nos últimos cinco anos, de acordo com os dados do Boletim Epidemiológico DST/Aids, do Ministério da Saúde.

“A escolha do mote dessa campanha é exatamente para falar com essa galera que representa o crescimento do índice de contágio. Esse jovem, que hoje curte Cazuza, por exemplo, não viu a fase braba da Aids. Não viu o cantor com a pele moreninha por causa do AZT, porque naquela época não havia a tríplice terapia, ou seja, a sobrecarga de AZT pigmentava a pele. Essa galera não tem a noção sobre os problemas causados pelo coquetel. Se houve avanço científico por um lado, houve relaxamento por outro, que é típico do ser humano. Então, a gente está lembrando que a camisinha é o único método cientificamente comprovado de prevenir a Aids e as outras DSTs”, enalteceu Tufvesson.

Madrinha da campanha, a cantora Valesca Popozuda disse que ficou feliz ao ver um verso da sua música — “Beijinho no Ombro” — ser utilizada para conscientizar as pessoas e no combate ao preconceito:

“Prevenção é um ato de amor. Como tenho uma comunicação muito grande com os meus popofãs, participar dessa campanha como madrinha é uma honra. A mensagem de prevenção é muito direta, ou seja, vamos dar o beijinho no ombro sem esquecer de levar a camisinha no bolso. Tenho um filho de 14 anos e converso com ele sobre sexo. Acredito que o conselho começa dentro de casa”.

 

A iniciativa da Prefeitura do Rio também busca atingir outras faixas etárias e o público heterossexual, igualmente suscetíveis à doença. Nos últimos 10 anos, a relação de contágio entre homens e mulheres, que era de 1 para 33, hoje é de 1 para 1,5. Nas várias atividades que serão realizadas ao longo do carnaval está prevista a distribuição de preservativos masculinos e femininos e gel lubrificante em pontos estratégicos da cidade.

A empresária Lucinha Araújo, mãe do cantor Cazuza, lembrou que carnaval é uma época em que as pessoas se descuidam:

“Ninguém pode deixar de participar de uma campanha como essa, particularmente eu, que já senti na pele a perda do meu filho para essa doença (Aids), exatamente por ele não usar camisinha. Repito isso há 25 anos: a camisinha é uma coisa desagradável, mas é a única forma de proteção”.

Para alertar sobre o comportamento de risco, o videoclipe apresenta declarações de pessoas de diversos grupos sociais, como a do economista José Carlos Bernardo de Resende, 47 anos, que aparece em companhia dos filhos Felipe Hierneis de Resende, 14, e Bernardo Hierneis de Resende, 15.

“Nunca tivemos o menor problema em falar sobre sexo e camisinha. Desde que tiveram curiosidade em relação ao sexo, começamos a explicar. Nunca houve esse tabu lá em casa. Estamos, aqui, em família participando dessa campanha para servir de exemplo para outras famílias”, garantiu.

Um casal heterossexual, mulheres jovens e da terceira idade, gays, transexuais, travestis, lésbicas e bissexuais também deram seus depoimentos com o objetivo de mostrar que não há grupo de riscos e que toda pessoa sexualmente ativa deve usar camisinha nas relações sexuais.

A cantora pop Lorena Simpson valorizou a importância do sexo seguro por ser a melhor forma de interromper a cadeia de transmissão do HIV e de outras doenças sexualmente transmissíveis, como hepatite B, sífilis, gonorreia, HPV:

“Camisinha no bolso sempre porque se trata de responsabilidade com a própria vida e com a vida das demais pessoas. Sempre que faço algum show ou participo de paradas gays, falo sobre a importância da prevenção. Sei que todo mundo gosta de festa, mas a saúde deve vir em primeiro lugar. Vamos nos amar, amar ao próximo, sem esquecer a proteção e proteger os outros”.

Contra o preconceito
A campanha “Rio Carnaval Sem Preconceito” completa três anos de atividades, com objetivo de orientar e informar cariocas e turistas sobre os mais diversos tipos de preconceito (religioso, racial, de gênero, por orientação sexual, etc.), as formas de denunciá-los e os direitos dos cidadãos.

“Hoje, não há mais grupo de risco e sim comportamento de risco, por isso a campanha chega em boa hora”, observou a advogada e transexual Giovana Cambrone Araújo, 33.

Galhardetes com mensagens que chamam a sociedade para a luta contra todo e qualquer tipo de preconceito (“Você não precisa ser negro para lutar contra o racismo. Ninguém precisa ser gay para lutar contra a homofobia” e “Contra a discriminação por orientação sexual: Lei Municipal n° 2475/1996”) serão distribuídos em pontos da cidade com grande concentração de público LGBT durante os dias de folia, como a Rua Farme de Amoedo, em Ipanema; a Rua Mém de Sá, na Lapa; a Travessa Almerinda Freitas e o Viaduto Negrão de Lima, em Madureira e o Campo de Santana, nas proximidades da Gafieira Elite, na região da Central do Brasil.

A campanha acontecerá entre 28 de fevereiro (sexta-feira) e 09 de março (domingo). Ventarolas contendo informações acerca da Lei Municipal n° 2475/1996, regulamentada pelo Decreto 33.033/2008, serão distribuídas na orla, nos blocos, bandas, no Sambódromo e no Terreirão do Samba informando à população que, na cidade do Rio, nenhum estabelecimento comercial ou repartição pública do município pode discriminar pessoas em virtude de sua orientação sexual ou identidade de gênero.

Na ventarola, um QR Code levará o público para o site da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (www.cedsrio.com.br). Lá, será possível obter inúmeras informações úteis e especialmente saber como denunciar situações de preconceito e discriminação e também saber da programação de carnaval do Rio de Janeiro. Para conscientização e prevenção, também serão distribuídos preservativos masculinos e femininos e gel lubrificante. Os agentes estarão identificados com o uniforme da campanha da Secretaria Municipal de Saúde com o slogan: “Beijinho no ombro, camisinha no bolso”.

 

Em parceria com a Secretaria Municipal de Turismo e RIOTUR, a Ceds fará uma pesquisa qualitativa em festas e pontos de concentração LGBT com o intuito de traçar um perfil dos cidadãos, cidadãs e turistas deste segmento que lotam a cidade neste período.

Testagens de HIV
Mais de 60 mil testagens para HIV e sífilis foram realizadas em apenas dois dias pela Secretaria Municipal de Saúde nas unidades da rede de atenção, na última campanha de prevenção, em dezembro, que contou ainda com vacinação contra a hepatite B. A Prefeitura do Rio dispõe de teste rápido em suas unidades de saúde. Para saber qual unidade procurar, entre no site: www.rio.rj.gov.br/web/sms/onde-ser-atendido

 

Prefeitura do Rio

0 comentários