TCU aprova contas do Complexo do Maracanã

Os ministros do TCU aprovaram o relatório final de acompanhamento da operação de crédito por unanimidade
 

complexo-do-maracanaOs ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) aprovaram, por unanimidade, o relatório final de acompanhamento da operação de crédito, no valor de R$ 400 milhões, celebrado entre o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e o Governo do Estado do Rio de Janeiro, para financiamento das obras de reforma e adequação do Complexo do Maracanã. A aprovação ocorreu em reunião plenária, no último dia 5.

 

 

Em seu voto, o ministro relator Valmir Campelo informa que “houve o cumprimento de todas as obrigações e condições para utilização do crédito por parte do Governo do Estado”. Em razão disso, o ministro propôs o arquivamento do processo.

 

 

Em maio de 2011, após análise detalhada do orçamento da obra, o TCU aprovara o projeto executivo da reforma, elaborado pela Emop (Empresa de Obras Públicas do Estado), vinculada à Secretaria de Obras, eliminando qualquer impedimento para a concessão do empréstimo do BNDES ao Estado.

 

 

“A execução dessa complexa obra, sob todos os aspectos, exigiu de nossas equipes inúmeros ajustes técnicos, sejam nos projetos ou na metodologia executiva. Enfrentamos críticas e dúvidas sobre a elaboração do projeto, a viabilidade econômica, ao não cumprimento das exigências do BNDES. No entanto, sempre estivemos confiantes no trabalho que desenvolvemos. O resultado é a aprovação das nossas contas pelo TCU. Hoje o Maracanã é um dos estádios mais modernos e confortáveis do mundo”, disse o secretário de Obras, Hudson Braga.

 

 

As obras de reforma do Maracanã enfrentaram alguns obstáculos imprevisíveis, que levaram a modificações do projeto original. A principal delas foi a substituição da antiga cobertura, condenada por estudos técnicos de especialistas.

 

 

Outros fatores não previstos inicialmente também foram superados como, por exemplo, o expressivo aumento de quantitativo de recuperação e reforço estrutural e de demolição verificados no decorrer das obras. À medida que prosseguia a execução da reforma, constatou-se que as áreas que necessitavam de recuperação e reforço estrutural eram muito mais extensas e em maior quantidade do que aquelas indicadas nos estudos iniciais de patologia.

 

 

“A reforma do Maracanã consistiu em uma obra monumental e inédita no país e enfrentou desafios, que a nossa engenharia resolveu. A recuperação estrutural e a demolição e a colocação de uma nova cobertura foram algumas das dificuldades enfrentadas. Essa obra foi um grande aprendizado para todos nós”, disse Ícaro Moreno, presidente da Emop, que, junto com Secretaria de Obras, foram responsáveis pela reforma do estádio.

 

Governo do Rio

 

0 comentários