Ceasa completa 40 anos de atividade

Entre as recentes realizações, estão o Banco de Alimentos, o Calendário de Comercialização, a usina de lixo e um pavilhão que será entregue na próxima terça-feira (1º)
 

A Centrais de Abastecimento do Rio de Janeiro (Ceasa-RJ) completou quatro décadas de existência. Para marcar a data, o foi realizado nesta sexta-feira (28/03), um evento na Unidade Grande Rio, em Irajá, onde foi instalado o primeiro mercado do produtor do Rio de Janeiro. Nesses 40 anos, a Ceasa-RJ ganhou mais cinco mercados no estado e se transformou na segunda maior central de abastecimento da América Latina, com uma série de realizações expressivas a comemorar. Alguns exemplos são a recente usina de compostagem (que transforma lixo em adubo orgânico) e a expansão, agora em 2014, do Banco de Alimentos, programa contra o desperdício e de combate à fome que beneficia 30 mil pessoas de mais de 200 instituições em todo o estado.

 

Essas e muitas outras ações aconteceram nos últimos três anos, a partir da criação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (Sedrap), que tem a Ceasa em sua estrutura. “Vivemos um tempo de melhorias, como o Banco de Alimentos, que existiu com outro nome, mas era usado só para politicagens. O Felipe, realmente, moralizou esse programa e promoveu ações de incentivo ao agricultor familiar”, diz o presidente da Associação dos Comerciantes e Usuários da Ceasa Grande Rio e São Gonçalo (Acegri), Valdir Lemos, referindo-se ao secretário de Estado Felipe Peixoto, à frente da Sedrap.

 

Unidade Grande Rio

 

Funcionando 24 horas, a Unidade Grande Rio reúne produtores, comerciantes, cooperativas e consumidores em geral, com um movimento diário de 40 mil pessoas (número que chega a 100 mil nas sextas-feiras) e 800 empresas, gerando 60 mil empregos direta e indiretamente. O mercado é de extrema importância para o escoamento da produção dos agricultores familiares do Estado do Rio, respondendo por 80% do consumo de hortifruti no estado. Em 2013, foram comercializadas mais de 1 milhão de toneladas só de frutas e legumes, com uma movimentação financeira de quase R$ 3 bilhões ao ano.

 

Caixotaria e Banco de Alimentos

 

Entre as recentes realizações da Ceasa-RJ que comercializa 2 milhões de toneladas de alimentos ao ano, há meses o Governo do Estado entregou as obras da caixotaria, promovendo dignidade para os 2 mil funcionários que trabalham no setor produzindo caixotes para transporte dos alimentos. Nos últimos dois meses, o Banco de Alimentos chegou aos mercado de São Gonçalo, Médio Paraíba, Norte e Noroeste, só faltando o da Região Serrana, que será implantado na próxima segunda-feira, dia 31.

 

Calendário

 

Há dez dias, a Ceasa lançou o Calendário de Comercialização de Hortifruti que, com informações sobre os períodos de safra e entressafra de cerca de 50 produtos, permite uma economia de, pelo menos, 20% na compra de frutas, legumes e verduras, sendo um verdadeiro aliado da dona de casa.

 

Novo pavilhão

 

Os investimentos prosseguem na Ceasa-RJ, que na próxima terça-feira, 1º de abril, inaugura no mercado de Irajá, em umaárea de 3.110 m², o Pavilhão de Produtos Sazonais e o Pavilhão dos Feirantes e Freteiros de Feiras Livres. Serão duas frentes em um só espaço, já chamado de Pavilhão da Couve-Flor, produto ali comercializado a céu aberto sobre caminhões. “Essa obra é um sonho de 40 anos que se torna realidade. Temos muito a agradecer à Direção da Ceasa-RJ, em especial, ao secretário Felipe Peixoto, que muito fez nesses três anos à frente da Secretaria”, comemora Isaías Soares, um dos feirantes mais antigos da Ceasa Grande Rio.

 

Agência Brasil

0 comentários