Tijuca ganha sua quarta estação do metrô

Terminal Uruguai, que será inaugurado neste sábado, vai beneficiar 36 mil pessoas por dia
 

nova-estacao-tijucaMorador da Rua José Higino, na Tijuca, o produtor artístico João Franklin, de 50 anos, não precisará mais caminhar até a Praça Saens Peña para pegar a Linha 1 do metrô. A tão aguardada Estação Uruguai será inaugurada amanhã e ele terá uma entrada a poucos passos da portaria do seu prédio. Assim como João, cerca de 36 mil pessoas da região devem ser beneficiadas com a nova parada final.

 

Quarta estação do metrô na Tijuca, a Uruguai terá cinco acessos: um na Rua Dona Delfina, dois na Rua Itacuruçá e dois na Rua Conde de Bonfim. Ao todo, dez escadas rolantes e seis elevadores facilitam o acesso à estação que tem sete mil metros quadrados de área construída, 300 metros de plataforma e 2,9 quilômetros de via. O novo terminal trará um benefício a mais aos usuários: wi-fi liberado. O projeto-piloto da concessionária poderá ser estendido futuramente às demais estações.

 

“A expectativa para ver essa estação funcionando é muito grande. Costumo andar até a Saens Peña, mas, em dias de chuva, tenho que pegar ônibus. Ela trará mais praticidade e comodidade para muita gente. Sem falar na valorização dos imóveis e serviços que já estão surgindo na região”, comemora o produtor artístico.

 

Com a abertura da nova estação, a aposentada Glória Regina Peixoto, de 59 anos, também economizará tempo e deixará de realizar a caminhada obrigatória até a antiga parada final. Moradora de um apartamento na Avenida Maracanã, ela está ansiosa para ver um antigo desejo realizado.

 

“Moro no Maracanã há 13 anos e sempre quis ver essa estação funcionando. Ela será o melhor acontecimento dos últimos tempos”, opina Glória.

 

Entrega antes do tempo previsto

 

Com obras iniciadas em 2011, a estação havia sido prometida para Dezembro deste ano. Mas o trabalho foi intensificado para que a entrega fosse feita antes da Copa do Mundo. Aproveitar o trecho já escavado, conhecido como Rabicho da Tijuca, ajudou a antecipar o prazo. A área subterrânea entre as ruas Itacuruçá e José Higino já serviu de estacionamento e, a partir de 2011, serviu de base para as intervenções.

 

“Aproveitar o Rabicho economizou na perfuração e ganhamos tempo, mas não era um espaço preparado para ser uma via operacional. Tivemos que fazer uma alteração completa. Foi uma obra de soluções”, afirmou Joubert Flores, diretor de engenharia do MetroRio, que investiu R$ 250 milhões na construção.

 

Segundo Flores, a concessionária agora aguarda autorização da Prefeitura para transferir as integrações para o Grajaú, Andaraí, Usina e Muda para o novo terminal.

 

“É uma estação muito importante, que vai trazer opção de transporte rápido e sustentável. Vai melhorar a vida de milhares de pessoas da região”, finalizou o diretor.

 

Governo do Rio

0 comentários