Prefeito do Rio e ministro-chefe da Casa Civil apresentam Balanço dos Jogos Rio 2016

O Rio agora se prepara para receber os Jogos Paralímpicos, que acontecerão entre os dias 7 e 18 de setembro
 

2016.08.23-Coletiva-Balanço-do-Encerramento-dos-Jogos-Rio-2016-JM-Coelho

 

Na tarde de terça, dia 23 de agosto, com um pedido de agradecimento ao povo carioca e brasileiro, o Prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, iniciou a entrevista coletiva sobre o balanço final dos Jogos Olímpicos Rio 2016, no auditório do Rio Media Center (RMC). “Os cariocas e todos os brasileiros que aqui estiveram mostraram uma enorme capacidade de entrega, de ajudar a fazer com que esse evento gigantesco acontecesse da forma como aconteceu”, disse Paes, que ressaltou também a capacidade da população e da cidade em organizar a Olimpíada. “Nós aqui no Rio sempre fomos muito associados ao jeitinho, ao improviso, e os Jogos mostraram, mais uma vez, que não somos só simpatia”.

 

 

 

Ao apresentar alguns números da Olimpíada, assistida por cerca de 5 bilhões de pessoas em todo o mundo, o prefeito citou os 6.695 jornalistas credenciados no RMC, de 102 países diferentes, e fez questão de ressaltar que entre os mais de 8 mil atendimentos da rede de saúde não foi registrado um caso sequer de zika. “Não resisto a esse comentário, porque durante algum tempo o alto grau de alarmismo quase irresponsável, inclusive de alguns setores de saúde internacionais, deu a impressão de que quem chegasse no Rio seria carregado por enormes mosquitos da zika”, disse Paes. “Com relação a esse assunto, foi mais seguro ficar no Rio do que ir para Miami”, completou o prefeito, que concedeu a entrevista coletiva ao lado ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e do secretário de Transportes do Estado do Rio de Janeiro, Rodrigo Vieira.

 

 

 

Padilha iniciou sua fala transmitindo a Paes os cumprimentos do presidente interino Michel Temer a esse “jovem líder absolutamente comprometido com sua cidade e com esse grande evento”. O ministro lembrou que a cidade do Rio de Janeiro é “uma grande porta de entrada para o Brasil”, o que se intensificou ainda mais com a Olimpíada. “Tenho certeza de que a partir desses Jogos, o Rio já é outro”. Padilha agradeceu a todos os trabalhadores que contribuíram para os Jogos, à “mão-de-obra mais que qualificada” e citou pesquisa segundo a qual quase 100% dos turistas estrangeiros que estiveram no país consideraram a hospitalidade do brasileiro inigualável. “Os turistas detectaram o nosso maior capital: a nossa gente”.

 

 

 

 

Outro número que chamou a atenção foi o de turistas que declararam a vontade de retornar ao Rio. Segundo pesquisa realizada no período dos Jogos, 95% dos visitantes aprovaram a estadia e gostariam de voltar à cidade em outra época. “Foi um evento de todo o Brasil. Todos se sacrificaram um pouquinho para que pudéssemos mudar nossa reputação diante do mundo. E o Rio traduz essa imagem melhor do que qualquer outro lugar”, afirmou Padilha.

 

 

 

O prefeito Eduardo Paes aposta no sucesso dos Jogos Paralímpicos, que, apesar de mais enxuto, vai demandar dos órgãos da prefeitura uma dedicação especial. “Será uma bela oportunidade para sacudirmos a nossa sociedade, que, infelizmente, ainda é bem excludente em alguns aspectos”, considerou.  Ele informou que uma nova entrevista coletiva será convocada para tratar exclusivamente da operação da cidade durante as Paralimpíadas. “Nosso compromisso é realizar Jogos incríveis. A venda de ingressos já aumentou,  e, do jeito que os cariocas curtiram a Olimpíada, tenho certeza que participaremos de outra boa experiência. Teremos novamente o Boulevard Olímpico e os eventos relacionados lotados de gente curtindo o clima fantástico da cidade”, finalizou o prefeito.

 

 

 
 

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.