Prefeito do Rio inaugura as áreas comuns do Parque Olímpico da Barra

Será pela Via Olímpica que o público chegará ao Parque Olímpico durante os Jogos
 

Fotos: J.P Engelbrecht

 

 

Na segunda, dia 11 de abril,  o prefeito Eduardo Paes inaugurou o Centro Principal de Mídia (MPC, em inglês) dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e apresentou o Live Site, local de convivência do público às margens da Lagoa de Jacarepaguá que faz parte do chamado “domínio comum” do Parque Olímpico. Com 26 mil m² e capacidade para 25 mil pessoas, o espaço fica no final da Via Olímpica, caminho inspirado no calçadão de Copacabana que corta todo o Parque Olímpico desde a Avenida Abelardo Bueno. 

 

 

As obras entregues nesta segunda-feira fazem parte da Parceria Público-Privada firmada entre a Prefeitura do Rio e a Concessionária Rio Mais e foram feitas com investimento 100% privado. Além do Live Site e da Via Olímpica, fazem parte das obras do domínio público a construção de mais de 100 km de redes de infraestrutura, como água, luz, esgoto e telecomunicações.

 

 

– Só posso dizer que isso tudo é fruto de muita parceria e dedicação. As coisas estão indo muito bem. Todos os equipamentos que mostramos à Comissão estão praticamente prontos. E, não me canso de dizer, tudo foi feito através de recursos privados, sem gasto algum para os cofres públicos. Estamos muito orgulhosos e otimistas. As obras de legado estão quase todas prontas, como as obras do Elevado do Joá – disse o prefeito. 

 

 

 

O Centro Principal de Imprensa (MPC, na sigla em inglês) reunirá toda a mídia credenciada para a cobertura dos Jogos. A instalação tem 27 mil m² de área construída e vai operar 24 horas por dia durante o evento, dando suporte aos profissionais da imprensa nacional e internacional. O edifício tem uma área total construída de 77 mil m², 75 metros de altura e 24 pavimentos: quatro andares de garagem; térreo – com 25 lojas externas abertas para um boulevard -, 17 andares de escritórios, casa de máquinas e cobertura. Iniciada no final de 2013, a construção do MPC contou com a participação de mais de mil operários.

 

 

– Parabenizo todos os envolvidos neste projeto olímpico. A Comissão de Coordenação do COI tem sido fundamental durante todo esse processo, nos assessorando em tudo o que se faz necessário. Além disso, as obras inauguradas dia 11 representam a força das empresas brasileiras, uma vez que tudo foi feito com recursos privados – falou o ministro do Esporte, Ricardo Leyser.

 

 

Durante os Jogos, o pavimento térreo do MPC será utilizado como área de logística do Comitê Rio 2016, recepção e cadastramento. Um pavimento de garagem elevada, com em 7.530 m² de área, foi adaptado para abrigar 800 estações de trabalho para os jornalistas credenciados. Haverá um pavimento de uso comum, com área de convivência e alimentação. Após os Jogos, o local será um empreendimento comercial com lojas, salas de escritórios e restaurantes.

 

 

– Sinto-me imensamente feliz por estar aqui, celebrando a inauguração de dois maravilhosos espaços. Estamos impressionados com as duas estruturas, especialmente a do MPC. Se os atletas fazem história com exemplos de superação e conquista de medalhas, os jornalistas são responsáveis por transmitir essa energia ao mundo. As belas histórias dessas Olimpíadas e a beleza desta cidade serão contadas por vocês, profissionais de imprensa – afirmou a presidente da Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI), Nawal El Moutawakel, acompanhada do diretor-executivo Christophe Dubi. 

 

 

Local de convivência do público às margens da Lagoa de Jacarepaguá, o Live Site tem 26 mil m² e capacidade para receber 25 mil pessoas em seus 6,4 mil m² de grama sintética, 5 mil m² de piso intertravado e 5.200 m² de piso drenante. No total, foram usados 300m³ de concreto na construção. O espaço conta com uma cobertura parcial, feita com 20 pilares metálicos, que somados pesam 240 toneladas. Nestes pilares foi fixada uma lona tensionada, com 2,5 mil m² de área. Ao redor da lagoa, há tem um deque de madeira com 2.225m.

 

 

– Este será um grande espaço de encontro e celebração de pessoas de vários países do mundo – concluiu Paes.

 

 

 

 

A Via Olímpica tem pisos antiderrapantes e foi projetada com inclinação de até 3,9°, abaixo da exigência legal máxima de 8,33º, para garantir o acesso com conforto aos espectadores, principalmente aqueles com deficiência e dificuldade de mobilidade. Após os Jogos, será transformada em um grande parque público, com passeios, praças, ciclovia e quadras multiuso com acesso livre para a prática de esportes. Dividida em quatro setores, começará na Praça de Chegada, na Av. Abelardo Bueno, que vai oferecer vasta área verde, com espécies nativas, parque infantil, mesas para piquenique, quiosques, local de convivência com assentos e equipamentos para exercícios.

 

 

Para a construção do Parque Olímpico foram realizados mais de 900 mil m³ de terraplanagem. O piso das áreas comuns tem mais de 250 mil m² de blocos intertravados de concreto, totalizando mais de 10,2 milhões de peças. Os blocos foram escolhidos após diversos testes, por sua característica de permeabilidade, que permite a passagem da água, evitando a formação de poças e facilitando a lavagem e a locomoção de pessoas com deficiência e dificuldade de mobilidade. As vias para carros foram feitas com 311 mil m² de pavimento asfáltico. Já a iluminação, é garantida com 632 postes de luz – sendo 100 apenas na Via Olímpica.

 

 

– Estamos fazendo algo inédito na história dos Jogos Olímpicos e isso muito me alegra e orgulha – afirmou o presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Organizador Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman.

 

 

 

Palco principal das competições durante os Jogos Rio 2016, com 16 modalidades olímpicas e nove paralímpicas, o Parque Olímpico será destinado à população depois do evento. Seu boulevard e área de lazer serão abertos ao público, enquanto a Arena do Futuro, onde serão disputadas as competições de handebol e golbol, será totalmente desmontada e transformada em quatro escolas municipais em diferentes localidades. Já o Estádio Aquático se transformará em dois ginásios, que serão instalados em áreas onde hoje não há opção para práticas de esporte. Outras instalações, como o HSBC Arena, serão destinadas ao treinamento de atletas de ponta, garantindo também o futuro do esporte nacional.

 

 

As modalidades olímpicas a serem disputadas no local serão Basquete, Judô, Taekwondo, Luta-livre, Luta Greco-Romana, Handebol, Tênis, Ciclismo (pista), Polo Aquático, Natação, Nado Sincronizado, Ginástica Artística, Ginástica Rítmica, Ginástica de Trampolim, Esgrima e Saltos Ornamentais. Durantes as paralimpíadas, será a vez das competições de Basquete em Cadeira de Rodas, Rúgbi em Cadeira de Rodas, Judô, Bocha, Futebol de 5, Golbol, Tênis em Cadeira de Rodas, Ciclismo e Natação.

 

 

 

Instalações como as três Arenas Cariocas e o Estádio Aquático já ultrapassaram 96% de conclusão. O Velódromo tem 76%, o Centro de Tênis está com 90% e a Arena do Futuro com 100% . O Parque Olímpico como um todo chegou a 95% de obras concluídas.

 

 

Além dos membros da Comissão de Coordenação do COI e do Comitê Rio 2016, o evento desta segunda-feira também foi acompanhado por representantes da prefeitura, como o presidente da Empresa Olímpica Municipal (EOM), Joaquim Monteiro, e os secretários de Obras e de Concessões e Parcerias Público-Privadas, Alexandre Pinto e Jorge Arraes, respectivamente, entre outros convidados.

 

 

 

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.