Prefeitura retoma obras do BRT Transbrasil

O trajeto, que antes iria até o Caju, agora irá até o Centro
 

O prefeito Marcelo Crivella anunciou dia 31 de julho, a retomada das obras do BRT Transbrasil. Quando concluído, o corredor para ônibus articulados, com 39 km de extensão, ligará o bairro de Deodoro, na Zona Oeste, ao Terminal Américo Fontenelle, localizado atrás da Central do Brasil, no Centro. O desenho original, licitado em 2014, previa um trajeto um pouco menor, até o Caju. Mas Crivella conseguiu aprovar, junto ao Ministério das Cidades e à Caixa Econômica Federal, a alteração do escopo para estender a via expressa até o Centro, sem impactar no orçamento original, licitado em R$ 1,4 bilhão. Com 80% do projeto prontos, a obra deve ser concluída em um ano e gerar cerca de duas mil vagas de emprego.

 

“Hoje estamos retomando as obras do BRT Transbrasil, e esperamos nos próximos 12 meses concluí-la. É uma obra que vai trazer enormes benefícios à mobilidade na nossa cidade. Fizemos uma série de adaptações, mudamos algumas coisas que achávamos que estavam acima do preço e tivemos que economizar também, porque a crise é grande. E, finalmente, acertamos um acordo com a Caixa e o Ministério das Cidades para que o BRT fosse concluído em todo seu trecho, da Central do Brasil até Deodoro. Mais de dois mil operários voltam ao trabalho, depois de oito meses de intensas negociações, que chegaram a uma conclusão favorável à nossa cidade”, afirmou Crivella, acompanhado do secretário municipal de Infraestrutura e Habitação, Sebastião Bruno.

 

A expectativa é de que entre dez e quinze dias os operários comecem a trabalhar. Esse é o prazo estimado para que o consórcio responsável pela obra remonte a estrutura necessária na Avenida Brasil. O primeiro passo nesta retomada dos trabalhos é recontratar pessoal, fazer a manutenção dos equipamentos que estavam parados e reorganizar os canteiros de obras. 

 

Além da conclusão do trajeto Deodoro-Central do Brasil, três terminais rodoviários de ligação serão construídos: o de Deodoro, que se conecta à Transoeste e à Transolímpica; o do Trevo das Margaridas, para absorver quem vem da Baixada Fluminense pela Rodovia Presidente Dutra; e o do Trevo das Missões, que receberá o fluxo da Baixada pela Avenida Washington Luiz. O edital para as obras dos terminais será lançado em setembro pela Prefeitura do Rio.

 

O terminal em Deodoro custará aproximadamente R$ 100 milhões, e os outros dois, R$ 50 milhões cada um. O tempo estimado para a conclusão das três estações é de 18 meses, e os recursos são do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em paralelo, a Secretaria de Infraestrutura e Habitação já iniciou o estudo do projeto que, posteriormente, ampliará a Transbrasil com uma via que ligará Deodoro ao bairro de Santa Cruz., também na Zona Oeste.

 

O trajeto entre a Rodoviária Novo Rio e o Terminal Américo Fontenelle já foi realizado pela Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CDURP) como exigência do legado olímpico. A companhia fez aproximadamente quatro quilômetros do BRT Transbrasil, assim como a calha especial na via expressa para receber os ônibus articulados. As ruas Rivadávia Correia e Bento Ribeiro, na Gamboa, receberão apenas obras de acabamento, como, por exemplo, as estações. O mesmo acontecerá com a Rodoviária Novo Rio, que terá adaptações e melhorias para receber o sistema BRT.

 

Sem interdições

Não haverá novas interdições na Avenida Brasil por conta da retomada das obras do BRT Transbrasil. Desde o dia 17 de dezembro de 2017, as quatro faixas da pista central, sentido Centro, estão interditadas entre as passarelas 9 e 19 (entre Cordovil e Ramos). O mesmo trecho no sentido Zona Oeste trabalha em mão dupla, com duas faixas para cada sentido. As pistas laterais continuam liberadas.

 

O motorista tem como principais rotas alternativas no sentido Centro: Linha Vermelha e as avenidas Pastor Martin Luther King e Leopoldo Bulhões. Já quem segue no fluxo em direção à Zona Oeste tem como opções: Linha Vermelha; a circulação interna pelos bairros de Bonsucesso, Ramos, Olaria, Penha, Manguinhos e Higienópolis, na Zona Norte, principalmente, pelas avenidas Democráticos, Uranos, Lobo Júnior, Leopoldo Bulhões, Manguinhos e Teixeira de Castro.

 

 

BRT Transbrasil: da licitação até hoje

2014 – As obras do BRT Transbrasil são licitadas por R$ 1.416.999.380,46, sendo R$ 1,3 bilhão do Ministério das Cidades, a cargo da Caixa Econômica Federal. O restante é oferecido como contrapartida do município. Até o momento, foram desembolsados R$ 950 milhões, restando R$ 450 milhões. 

 

2015 – Começam as obras do BRT Transbrasil.

 

2016 – Obras são suspensas em agosto.

 

2017 – A retomada do trabalho acontece em abril, após a Prefeitura pagar um reajuste no contrato no valor de R$ 115.171.402,03.

 

2018 – Em março, o trabalho volta a ser paralisado, devido ao contingenciamento dos repasses pela Caixa Econômica Federal, que analisava as alterações do projeto feitas em concordância com o Ministério das Cidades e a Prefeitura do Rio. Em julho, o prefeito Marcelo Crivella anuncia um acordo com a Caixa e o Ministério das Cidades que permite a retomada das obras.

 

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.