Presidenciáveis debatem na TV Record

Candidatos trocam acusações
 

O debate dos presidenciáveis na Rede Record realizado na noite de domingo dia 27, na RecNov, estúdio em Vargem Grande,  reuniu inúmeras personalidades políticas na platéia como o Governador Sérgio Cabral e seu vice Pezão, o candidato Lindberg, Michel Temer, Antônio Palocci, Benedita, Bittar e Gabeira. 

Nos quatros blocos, os candidatos mais atacaram a plataforma do outro, do que apresentaram realmente seus programas.  Serra acusou o governo atual de se aproximar de governos ditatorias como Irã. Plínio acusou Dilma de ser incompetente ou conivente em relação ao escândalo Erenice. A candidata respondeu que não era nenhum dos dois e ressaltou que tudo será apurado. 

Marina acusou Serra de querer terminar com Bolsa Família. Serra lembrou que foi no Governo Fernando Henrique que se criou a Bolsa Alimentação e Escola e que a Bolsa Família era uma junção das bolsas criadas na época. Serra ainda prometeu continuar com Bolsa Família e aumentar o salário mínimo para 600 reais. Já Plínio bateu uma meta mais alta para o piso: 2000 reais. 

Serra acusou Dilma de lotear a Anvisa e Agência Nacional de Saúde, onde um genérico demora três vezes mais para ser aprovado e os planos de saúde aumentam mais que a inflação. Dilma se defendeu e disse que era favor de carreira nas agências. 

Marina lembrou que a informalidade no Brasil ainda  alta e que os jovens tem baixa empregabilidade. Dilma rebateu falando das realizações do governo Lula e afirmou que foram criados 14 milhões de empregos. Segundo a candidata, o governo atual retirou 28 milhões da pobreza e aumentou o salário mínimo na faixa de 100 dólares para quase 300.

 

Fonte: Tatiana Couto – AIB

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.