Queima de cana de açúcar afeta saúde respiratória

2010 é o Ano Mundial do Pulmão
 

De acordo com estudos, os grupos mais afetados são os de crianças até 13 anos e idosos acima de 60 anos de idade 

2010 é o Ano Mundial do Pulmão; é fundamental manter atenção redobrada aos problemas causadores de males respiratórios. Um deles são as queimadas. O Brasil é hoje o maior produtor de cana de açúcar mundial. Matéria prima para a produção de açúcar e também de álcool etílico, a cana está presente em cerca de 5 milhões de hectares. Boa parte desta área é queimada nos seis meses de pré-colheita, enviando para a atmosfera inúmeras partículas e gases poluentes, que prejudicam não apenas os trabalhadores destas plantações, mas também toda a população residente nestas áreas.  

“O material particulado fino causa irritação das vias aéreas mesmo em indivíduos saudáveis. No entanto, o efeito deletério se manifesta amplamente nos portadores de alguma doença respiratória, como asma, DPOC, bronquectasias e sequelas pulmonares”, comenta a dra. Márcia Diniz, pneumologista e secretária da sub-sede Campinas da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT). 

Nestes indivíduos, a inflamação das vias aéreas, iniciada pelo contato com a poluição da queimada, desencadeia a ocorrência de broncoespasmo, produção de muco, chiado, tosse, catarro e/ou falta de ar, em graus variáveis. 

Existem diversas pesquisas no estado de São Paulo que comprovam o aumento de incidência de doenças respiratórias em várias cidades durante o período de queima de cana. Pesquisadores do Laboratório de Poluição Ambiental da USP, como o dr. José Eduardo Delfini Cançado, da SPPT, demonstraram, em um grande estudo feito na cidade de Piracicaba, interior de São Paulo, que a poluição específica da queima de palha de cana estava associada ao aumento de internações de crianças e idosos por doenças respiratórias. 

Outro pesquisador deste grupo, dr. Marcos Arbex, ex-presidente da SPPT Regional Araraquara, comprovou que a poluição pela queimada está relacionada com o aumento da prescrição médica de inalação para tratamento de doenças respiratórias na região. Mostrou, ainda, que o material particulado inalado pode levar a crises hipertensivas, aumentando os atendimentos em serviços de emergência.  

“Em Santa Bárbara d´Oeste, um estudo sobre o impacto da poluição em relação ao número de inalações realizadas no Pronto Socorro da cidade comprovou aumento significativo. Outra pesquisa, sobre a flora fúngica da cidade, verificou redução da biodiversidade de fungos nestas regiões. Isso demonstra que a produção do material particulado influencia também a biosfera local”, comenta dra. Márcia. 

Trabalhadores e legislação

 

A legislação atual ainda permite a queimada, mas com restrições de horários e distância das cidades. Fica proibida, por exemplo, quando o nível de umidade relativa do ar fica abaixo de 30%.  

Os trabalhadores das usinas de várias regiões já recebem orientações para que a cana seja queimada apenas em determinados horários do dia, conforme condições meteorológicas, e com uma equipe especializada na queima. No entanto, a médica adverte que estas medidas apenas minimizam os efeitos, uma vez que a exposição ainda é muito grande.

 

Fonte: Acontece Noticias

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.