Royalties tem nova proposta

Divisão entre estados e munícipios
 

Os senadores Francisco Dornelles (PP-RJ) e Renato Casagrande (PSB-ES), representantes dos dois estados mais importantes na produção de petróleo, apresentaram proposta de divisão dos royalties praticamente restrita a estados e municípios (tanto os produtores, quanto os não-produtores). Já a União, que pelo regime atual entra no bolo, ficaria apenas com uma parcela por meio de um fundo especial, este por sua vez dirigido na sua quase totalidade aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios.

Em entrevista concedida nesta tarde, os dois senadores anunciaram a apresentação da proposta à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), na forma de emenda ao PLC 16/10 – que cria o regime de partilha para exploração do pré-sal e estabelece novos critérios para distribuição dos royalties do petróleo. A proposta foi apresentada no último dia para registro de emendas à comissão.

De acordo com os senadores, a emenda se refere apenas às áreas ainda não licitadas, não atingindo, portanto, os contratos atuais, firmados dentro do regime de concessão para áreas de exploração fora do pré-sal. Estados e municípios produtores, além dos afetados por embarque e desembarque, ficariam com 56,6% dos royalties, no total. Os estados e municípios produtores, especificamente, ficariam com 50,8%

A parcela destinada à União – 43,3% – seria convertida num Fundo Especial a ser distribuído entre estados, Distrito Federal e municípios (33,7%) – inclusive os produtores. Uma pequena parcela seria destinada ainda à Marinha (3,3%); ao Ministério da Ciência e Tecnologia, para o desenvolvimento de pesquisas destinadas à indústria do petróleo (3,3%); e à constituição de um fundo de combate às mudanças climáticas e proteção ao ambiente marinho (3,3%).

Pela versão do projeto, aprovada pela Câmara dos Deputados com a chamada "emenda Ibsen", 19% dos royalties iriam para a União, para serem destinados ao Comando da Marinha e ao Ministério da Ciência e Tecnologia, ao passo que 3% constituiriam o fundo de combate às mudanças climáticas e proteção ao ambiente marinho. O restante, mesmo de contratos vigentes, seria dividido entre todos os estados e municípios, de acordo com os critérios do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), o que significaria retirar receita dos estados produtores.

– Você vê que o aumento da participação de estados e municípios não-produtores na receita é muito grande. Em relação ao que é hoje, é cerca de 400% maior – disse na entrevista o senador Francisco Dornelles.

A proposta dos dois senadores é uma tentativa de chegar um consenso diante do embate pela emenda Ibsen, que tem forte resistência dos estados produtores.

Federação

A emenda de Dornelles e Casagrande estabelece, em relação à União, que seus lucros – que, no novo regime de partilha excluem as chamadas participações especiais – se restringiriam ao pagamento em petróleo pelas empresas exploradoras.

A emenda prevê ainda novo regime para a aplicação dos recursos advindos da venda do petróleo, gás natural e demais hidrocarbonetos: 55% para constituição do Fundo Social, 21,5% para os estados e o Distrito Federal, de acordo com o FPE, e 23% para os municípios, de acordo com o FPM.

De acordo com o senador Renato Casagrande, a medida foi pensada para compensar estados e municípios pela imunidade tributária da União, que não paga impostos sobre suas operações de compra e venda de petróleo. Já o senador Dornelles apresentou como principal argumento favorável à sua emenda a defesa da federação.

– O que se estabeleceu foi defender a federação – defender estados e municípios produtores, aumentar a participação de estados e municípios não-produtores em contratos que vierem a ser assinados e reconhecer que os recursos da União na operação de comercialização sejam destinados ao Fundo Social – disse Dornelles.

Os senadores também enfatizaram que, apesar da proposta representar uma perda (em termos de proporção do bolo) na arrecadação dos royalties de estados e municípios produtores, em relação ao modelo atual, está de acordo com as discussões que vêm sendo travadas nas últimas semanas com parlamentares e governadores dessas unidades federativas.

– A emenda foi feita tendo como princípio o nosso debate. Vamos agora discutir com cada parlamentar – disse Casagrande

Fonte: Agencia Senado

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.