Um dia dedicado às tradições gaúchas no Rio Media Center

O evento promovido pelo estado contou com provas de vinho, chimarrão, e apresentação de danças típicas
 

2016.08.07-Happy-Hour-Rio-Grande-do-Sul_Fabio-Gonçalves08

 

Na porta do Salão Corcovado do Rio Media Center, um casal vestido com a tradicional pilcha gaúcha recebeu os jornalistas credenciados no RMC para uma celebração da cultura do Rio Grande do Sul no domingo (07/8).  “A nossa ideia foi apresentar o Rio Grande do Sul como destino no Brasil sobre três aspectos: o vinho, a erva-mate e o churrasco. Com isso, trouxemos um pouco de todas as 27 regiões do estado e convidamos os jornalistas a conhecerem a nossa cultura”, contou Abdon Barretto Filho, diretor de Turismo da Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul.

 

 

Os jornalistas participaram de provas de vinho de várias vinícolas gaúchas. Vinícius Santiago, do Instituto Brasileiro do Vinho, apresentou espumantes, vinhos tintos e brancos e deu detalhes sobre a produção local. Segundo ele, o vinho brasileiro vem ganhando espaço nas mesas brasileiras e estrangeiras. “Alguns ainda consideram o vinho brasileiro exótico, mas isso tem até ajudado a difundir o produto”, disse.

 

 

O jornalista colombiano Eliberto Riaño, da Todelar, ficou surpreso ao saber mais sobre a produção de vinho no Brasil. “Na Colômbia, tomamos muitos vinhos chilenos e argentinos. Não sabia que o Brasil também produzia vinhos tão bons”, afirmou Riaño, com uma prova de espumante nas mãos.

 

 

O argentino Ignácio Mansur, da Rádio e Televisão Santafesina, também gostou do que provou. “Os vinhos argentinos são muito tradicionais, mas o Brasil também tem muito do que se orgulhar. São excelentes todos os que provei”, contou Mansur. O jornalista argentino também teve a curiosidade de conhecer como é feito o chimarrão e a diferença da produção da bebida brasileira para o mate argentino. Valdir Zonin, presidente do Instituto Brasileiro de Erva Mate, explicou que o chimarrão usa a erva ainda fresca e o mate argentino usa a mesma planta já seca: “Isso explica porque a erva do chimarrão é tão verde, enquanto a do mate é mais amarelada”.

 

 

Representantes da churrascaria Fogo de Chão também estiveram presentes e contaram sobre a história do churrasco na tradição gaúcha. “O churrasco de chão começou a ser feito ainda pelos índios, que assavam a carne do gado. Depois, com as imigrações europeias, outros animais, como as aves, foram acrescentadas ao churrasco”, disse Cassio da Silva, da Fogo de Chão.

 

 

Ao final do evento, o casal Amanda Tonezer e Leonardo Guinther dançou a tradicional tirana do lenço e uma valsa. Vestidos com bombacha e vestido de prensa, eles falaram sobre as roupas típicas dos bailes campeiros do Rio Grande do Sul.

 

 

Os jornalistas credenciados no RMC  podem se inscrever até o dia 21 de agosto, no site do RMC, para uma viagem que será organizada pela Secretaria de Turismo no dia 21 de setembro.

 
 
 

1 comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Abdon Barretto Filho

    Pode ser útil