Unidade Móvel fará diagnóstico da hanseníase

Unidade Móvel fará diagnóstico da hanseníase
 
O projeto Rio sem Hanseníase foi lançado, na última terça-feira, no Centro de Socioeducação Professor Gelso de Carvalho Amaral (Cense-GCA), do Novo Degase. O programa, uma parceria entre o Governo do Estado, o Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) e o RIOSOLIDARIO – Obra Social do Rio de Janeiro, prevê a prevenção, diagnóstico e tratamento da doença e será estendido para todas as unidades do Novo Degase, além de chegar às UPPs e a 30 polos que serão espalhados pelos municípios do estado.
 
A ação, pioneira no Rio de Janeiro, vai contar com uma com uma unidade móvel, a Carretinha da Saúde, onde as pessoas serão atendidas, diagnosticadas e encaminhadas para o tratamento, caso seja necessário. O consultório itinerante, que também receberá atividades de educação, é adaptado com três ambulatórios, sala de espera climatizada e elevador para pessoas com deficiência. Segundo a presidente do RIOSOLIDARIO, Daniela Pedras, a Carretinha vai estar em todo estado, e os resultados do programa poderão ser sentidos no prazo máximo de um ano.
 
– É um projeto ambicioso, arrojado. Até o fim de 2012, queremos estar com os números de incidência da hanseníase bastante minimizados – afirmou.
 
O Brasil lidera mundialmente a incidência de hanseníase, seguido pelo Nepal e Timor Leste. Para o coordenador nacional do Morhan, Artur Custódio Souza, a desinformação e a existência de informações erradas atrapalham o diagnóstico e tratamento.
 
– No exame, nós analisamos a mancha para saber se tem ressecamento ou queda de pelos e fazemos o teste de sensibilidade tátil, térmica e dolorosa. Isto detecta 90% dos casos e nos outros 10% é necessário fazer uma biópsia e esclarecer mais – explicou ele.
 
No lançamento do projeto, os adolescentes do GCA assistiram a uma palestra sobre a hanseníase. Para o diretor da instituição, Alexandre Azevedo, a disseminação da informação por todas as unidades do sistema é fundamental.
 
– Estamos falando de um assunto sério, que permeia o preconceito da sociedade. Por isso é fundamental que se trabalhe com a informação sobre a doença. Estamos nos referindo a vidas que poderão ser salvas com educação – disse.
 
A doença
 
A hanseníase é uma doença que atinge principalmente a pele e os nervos. Seus sintomas mais comuns são manchas na pele e diminuição ou perda de sensibilidade. Segundo médicos, quanto antes o tratamento for iniciado, maiores são as chances de o paciente ser curado sem apresentar sequelas. Para fazer o diagnóstico, a pessoa pode procurar a Carretinha da Saúde ou ligar para o Telehansen: 2502-0100 (Rio de Janeiro).

Fonte: Governo do Rio

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.