Início Plantão Barra Barra da Tijuca recebeu atletas de oito países para evento-teste de Luta...

Barra da Tijuca recebeu atletas de oito países para evento-teste de Luta Olímpica

Fotos: J.P. Engelbrecht

 

A Arena Carioca 1, no Parque Olímpico, recebeu no fim de semana (30 e 31/01) o “Aquece Rio Feminino de Luta Olímpica”, terceiro evento-teste realizado no equipamento, que já foi palco dos torneios de basquete feminino e halterofilismo. Durante a competição, que reuniu 50 atletas de oito países (Argentina, Brasil, Canadá, China, Estados Unidos, Hungria, Japão e Russia), na Barra da Tijuca, foram avaliados pelo Comitê Rio 2016 a área de lutas e o sistema de resultados, além da gestão de instalação. Em fevereiro, o espaço receberá as provas de Taekwondo e Rugby em Cadeira de Rodas. A Arena Carioca 1 foi o terceiro equipamento do Parque Olímpico a ser entregue antecipadamente pela Prefeitura do Rio, juntamente com a Arena do Futuro (tênis) e o Centro Internacional de Transmissão (IBC).

 

 

 

Construída através de Parceria Público-Privada (PPP), a Arena tem 33 metros de altura e área construída de 38 mil metros quadrados, com 282 salas, 49 banheiros, oito vestiários e seis elevadores. Durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, terá capacidade para receber 16 mil espectadores. Cerca de 2.000 operários participaram de sua construção. 

 

 

 

– É fundamental realizar testes como esse. Montamos um aparato operacional para monitorar e avaliar cada detalhe, como é o caso das salas de Resultado e de Tecnologia. Temos ajustes a serem feitos, de acordo com a demanda de cada modalidade, mas são coisas normais. Estamos saindo do planejamento do papel para vivenciar o evento em sua vida real. Não ouvi nenhum tipo de reclamação por parte das delegações – afirmou o diretor de Gestão de Instalações do Comitê Rio 2016, Gustavo Nascimento. 

 

 

 

Após os Jogos Rio 2016, a Arena Carioca 1 será destinada ao esporte e à promoção de eventos como shows, feiras, exposições e competições esportivas. Sua ala de alto rendimento será implementada na área contígua à da Arena Carioca 2, formando um conjunto de equipamentos a serviço dos melhores praticantes de boxe, taekwondo e esgrima do país. Haverá também vestiários e uma academia para a prática de musculação e exercícios de condicionamento aeróbico. Parte da arquibancada será desmontada e restarão 7,5 mil lugares permanentes. Se houver necessidade, a capacidade pode ser novamente ampliada com estruturas temporárias.

 

 

 

No sábado (30), grandes duelos entre campeãs marcaram o primeiro dia do evento-teste. A China foi para a final em todas as três categorias em disputa no dia (até 48kg, até 58kg e até 69kg), levando o ouro em duas delas, só perdendo para o Japão na final até 58kg. A atleta brasileira Susana Santos conquistou a medalha de bronze na categoria até 48kg. Já neste domingo, foram realizadas as disputas de três categorias (até 53kg, até 63kg e até 75kg).

 

 

 

O Brasil terminou o torneio com três medalhas, todas de bronze. Aline Silva (categoria até 75kg), e Laís Nunes (até 63kg) ficaram com o bronze. Aline garantiu a medalha por conta da desistência da chinesa Qian Zhou, que lesionou os dois tornozelos. Além dela, Laís Nunes conquistou a terceira colocação ao derrotar a compatriota Dailane Gomes, totalizando três medalhas de bronze para o Brasil na competição, somando-se a de Susana.

 

 

 

Entre as atletas brasileiras que não conquistaram medalhas no evento, mas são esperança de vitória nos Jogos Olímpicos, está a carioca Julia Penalber, de 23 anos. Ela perdeu a luta para a norte americana Alyssa Lampe na categoria 53 kg, mas garante que a derrota deste domingo servirá de “alavanca” na busca de medalhas em agosto:

 

 

 

– Infelizmente não pude mostrar o meu melhor hoje, mas tudo o que aconteceu servirá de grande aprendizado para mim. Vou transformar os erros em acertos e fazer bonito nas Olimpíadas. Ter a torcida ao lado e poder lutar em um equipamento lindo, que nada deve aos internacionais, é algo que me impulsionará ainda mais. 

 

 

 

Ao seu lado, Alyssa comemorou a medalha de bronze e se mostrou impressionada com a grandiosidade do Parque Olímpico. Segundo ela, que está na cidade pela primeira vez, o Rio de Janeiro está surpreendendo o mundo inteiro por sua capacidade de organizar grandes eventos: 

 

 

 

– Além de ser uma cidade conhecidamente linda, o Rio de Janeiro está fazendo um trabalho incrível em sua preparação para os Jogos Olímpicos. Este lugar impressiona pelo tamanho e pela beleza de suas arenas, especialmente esta. A estrutura é maravilhosa e as atletas estão recebendo o melhor tratamento possível da organização. Sei que outras ainda estão em obras, mas tenho certeza de que serão tão lindas como essa. 

 

 

 

Um dos esportes mais antigos dos Jogos Olímpicos, a luta Olímpica se adaptou à modernidade. Após quase ficar de fora do programa Olímpico da edição de Tóquio 2020, o esporte partiu reformulou as suas regras em 2014 para que as disputas se tornassem mais dinâmicas, além de ampliar a participação feminina. Com isso, novas categorias foram incluídas no estilo livre feminino (entraram 58kg, 53kg, 69 e 75kg e saíram 55kg e 72kg). 

 

 

A Luta Olímpica:

A modalidade é dividida em dois estilos: Luta Greco-Romana (somente disputada por homens) e Luta Estilo Livre (aberto à participação de mulheres). Na primeira, os lutadores só podem usar os braços e o tronco no combate. Não é permitido segurar o adversário da cintura para baixo ou utilizar as pernas para derrubá-lo. No segundo estilo, os atletas podem utilizar braços e pernas para atacar e se defender. 

 

 

Os combates são divididos em três rounds, de dois minutos cada. Se um dos lutadores não consegue finalizar ou imobilizar o outro, a luta é decidida por pontos. Apesar da diferença de regras o objetivo de ambas as lutas é o mesmo: derrubar o adversário. Um atleta chega à vitória se finalizar ou imobilizar o oponente com os ombros no solo. Não são permitidos golpes baixos, estrangulamentos ou puxões de cabelo. 

 

História: 

Muito antes de ser considerada um esporte, a luta tinha o conceito básico de defesa e de ataque, no sentido de demonstrar superioridade em um confronto. Há registros de lutas em praticamente todas as eras da humanidade, passando por babilônicos, egípcios, japoneses, chineses, gregos e romanos, desde milhares de anos antes de Cristo até hoje. Mas os grandes responsáveis pela introdução da modalidade no mundo esportivo foram os gregos. A luta começou a ser disputada nos Jogos da Grécia Antiga no século 7 a.C.. 

 

 

O modelo de luta dos gregos inspirou os franceses a criar, no início do século 19, o estilo hoje conhecido como luta greco-romana. Foi o primeiro passo para a profissionalização. Nos Jogos de Atenas-1896, a luta já apareceu no programa olímpico, na categoria “Superpesado”. O primeiro medalhista de ouro foi o alemão Carl Schuhmann.

 

 

 

A partir de St. Louis-1904, os Jogos passaram a contar também com a luta livre, a única disputada naquele ano. Essa versão da modalidade já chegou dividida em várias categorias de peso (Galo, Pena, Leve e Superpesado). 

 

 

 

Em Londres-2012, a luta olímpica distribuiu 18 medalhas de ouro. Os maiores vencedores foram Rússia, Irã e Japão. Os russos conquistaram quatro ouros: três no masculino e um no feminino. As disputas entre as mulheres foram dominadas pelas japonesas, que ficaram com três ouros. Já os iranianos subiram ao lugar mais alto do pódio três vezes entre os homens.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here