Início Plantão Rio Caixa cresce no mercado

Caixa cresce no mercado

A Caixa Econômica Federal reassumiu o quarto lugar no ranking de fundos de investimentos promovido pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA). O patrimônio líquido dos fundos de investimentos da CAIXA alcançou o valor de R$ 109,04 bilhões em abril de 2010 e 7,31% da participação no mercado. Esse resultado representa um crescimento de 10% comparado com outubro de 2009, quando a CAIXA tinha uma participação de 7,26% e R$ 98,56 bi em patrimônio.

O crescimento do patrimônio líquido da CAIXA na área foi sustentado pelo resultado dos próprios fundos de investimentos, sem fusões ou aquisições, e está acima do crescimento do mercado desde 2008. Nesse ano, a CAIXA cresceu 16,54%, enquanto a indústria teve retração de 2,56%. Em 2009, o mercado retomou o crescimento com o índice de 25,73%, enquanto a CAIXA cresceu 33,77% no período.

“A CAIXA sempre foi forte em fundos de renda fixa e de varejo. Nos últimos anos, o banco tem diversificado os seus tipos de fundos e de clientes”, afirma o vice-presidente de Gestão de Ativos de Terceiros da CAIXA, Bolívar Tarragó.

A atuação da CAIXA durante a crise, praticando taxas de juros menores e dando continuidade à irrigação do mercado com crédito, mais que dobrou a sua participação em segmentos como fundos exclusivos de grandes empresas. “Muitas empresas que não tinham relacionamento com a CAIXA, passaram a tê-lo. No período da crise, o banco atendeu o mercado com taxas adequadas e assim conseguiu ganhar espaço com as grandes empresas”, avalia o vice-presidente.

A meta da CAIXA para 2010 é captar R$ 10,3 bilhões em seus fundos de investimentos. No primeiro quadrimestre, o banco já atingiu 30% da meta. Para Tarragó, “o movimento da CAIXA em relação aos fundos está começando agora. Percebemos que temos muito potencial para crescer. Não precisamos abrir mão da captação de um produto, como poupança, para captar em outro produto, como fundo, pois os perfis dos clientes são diferentes”.

Fonte: CEF