Início Plantão Rio Comitiva chinesa visita rio em busca de parcerias científicas e tecnológicas

Comitiva chinesa visita rio em busca de parcerias científicas e tecnológicas

 

O secretário de Ciência e Tecnologia, Luiz Edmundo da Costa Leite, participou na terça-feira (3/07) de uma reunião com representantes de instituições de ciência e tecnologia ligadas à Prefeitura de Xangai, que estão em missão no Rio de Janeiro para realizar parcerias e acordos de cooperação com pesquisadores brasileiros.

 

 

Promovido pela Câmara de Comércio Brasil-China, o encontro também reuniu representantes da Agência de Promoção de Investimentos do Rio de Janeiro, e foi realizado no prédio da Associação Comercial.

 

 

O secretário abriu a reunião apresentando aos chineses um panorama das ações do Estado no setor. Luiz Edmundo deu destaque às unidades de ensino profissionalizante mantidas pela Faetec, ao ensino a distância da Fundação Cecierj e ao fomento à pesquisa realizado pela Faperj. Ele ainda falou sobre as instituições de ciência e tecnologia sediadas no estado, assim como o parque tecnológico do Fundão, e prometeu entregar ao chineses o Mapa da Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro, que está sendo preparado pela Secretaria de Ciência e Tecnologia.

 

 

– São tantas instituições de ciência e tecnologia no estado que fica difícil enumerar todas elas sem um documento atualizado. Esse material já está sendo produzido, e será entregue aos pesquisadores chineses assim que estiver pronto – disse.

 

 

A comitiva também assistiu a uma apresentação da Agência Rio sobre o cenário de investimentos no campo da ciência e tecnologia que se desenvolve neste momento na cidade.

 

 

Ao fim das apresentações, o chefe da comitiva chinesa, Fang Zhaoping, se mostrou entusiasmado com tudo o que viu, e disse que, com certeza, Xangai e Rio de Janeiro poderão trocar muitas experiências e se tornarão parceiros no campo da ciência e tecnologia.

 

 

Luiz Edmundo disse que se interessou por duas áreas específicas que são bem desenvolvidas pelos chineses: o aquecimento solar e a produção de mudas de cana-de-açúcar.

 

 

– Não temos no Rio nenhuma indústria para a produção de equipamentos de energia solar. Isso seria importante, pois estamos com um projeto de construção de moradias populares que precisam de fontes de energia alternativas. Da mesma forma, a atividade de produção de cana de açúcar está renascendo no estado. Temos uma biofábrica em Campos, que foi desenvolvida com tecnologia cubana, e que pretendemos fazer funcionar – explicou o secretário, que ressaltou que o trabalho efetivo será feito pelas universidade, com o apoio e financiamento da secretaria.

 

Fonte: Governo do Rio