Início Plantão Rio Comunidades pacificadas apresentam ações sustentáveis

Comunidades pacificadas apresentam ações sustentáveis

 

 

Os moradores do Chapéu-Mangueira e Babilônia, Rocinha, Vidigal, Complexo do Alemão, Pavão-Pavãozinho e Cidade de Deus apresentarão até o dia 23 de junho ações sustentáveis que ajudam a melhorar a qualidade de vida da população. As iniciativas estão na programação da Rio+20 nas comunidades pacificadas, elaborada pelo programa Territórios da Paz, da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos.

 

 

Os morros do Chapéu-Mangueira e da Babilônia, no Leme, abriram a programação na quinta-feira (14/6) e mostram até as 22h de hoje (15/6) suas iniciativas ecologicamente corretas. Caminhadas, oficina de culinária, teatro, debates e feira de artesanato estão entre as atrações, que foram selecionadas em conjunto com a comunidade depois da criação de uma comissão organizadora do evento.

 

– A intenção é incluir de alguma maneira os moradores do morro na Confederação das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Todos colaboraram muito com o projeto, e contamos com 17 atividades diferentes – afirmou a assistente de gestão do Territórios da Paz na comunidade, Nathalia Masse.

 

 

Para Anderson Ribeiro, morador e um dos integrantes do comitê do Território da Paz na comunidade, essa é a chance de mostrar para o mundo que no Chapéu-Mangueira e na Babilônia todos se preocupam com o futuro do planeta.

 

 

– A população da favela também colabora para um mundo mais sustentável, por isso reunimos os nossos maiores cases de sucesso para apresentar aos visitantes do evento. Foi um desafio montar a nossa programação, mas é gratificante ver os resultados positivos – disse Anderson.

 

 

Moradores mostram suas ideias sustentáveis e turistas aprovam

A cozinheira ReginaTchelly é um dos moradores que aproveitaram o evento para divulgar seu projeto de reaproveitamento de alimentos, o Favela Orgânica. Ela oferece cursos de capacitação para os moradores do Chapéu-Mangueira desde o ano passado, e quer disseminar a ideia para outras comunidades.

 

 

– Já passei necessidades, e sei o quanto é importante reaproveitar alimentos. Os turistas se interessaram muito pela minha iniciativa, e o objetivo é esse: dividir essa ideia com outras pessoas – contou Regina.

 

 

A goiana Luciana Rodrigues e a francesa Gaelle Blamengin aprovaram as ações desenvolvidas pelos moradores da comunidade do Leme durante a Rio+20. Pela primeira vez, elas percorreram as ruas do Chapéu-Mangueira e conheceram um pouco da cultura do morro através da programação especial.

 

 

– Adorei os trabalhos dos artesãos locais. Acho uma iniciativa super positiva da comunidade mostrar que também está engajado por um mundo melhor – afirmou Gaelle.

 

Fonte: Governo do Rio