Início Plantão Brasil CPI dos Bingos deve ser desarquivada pela CPMI do Cachoeira

CPI dos Bingos deve ser desarquivada pela CPMI do Cachoeira

Os documentos produzidos pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, que funcionou no Senado há seis anos, deverão ser desarquivados pela recém-criada Comissão Parlamentar Mista (CPMI) do Cachoeira, que vai apurar as ligações do empresário goiano Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso por suspeita de envolvimento em corrupção e jogos ilícitos.

 

 

O requerimento para desarquivar as informações não chegou a ser apreciado na primeira reunião da comissão, mas conta com o apoio tanto da oposição quanto dos governistas.

 

Na CPI dos Bingos, Cachoeira foi uma personagem importante e foi indiciado no relatório. Também conhecida como “CPI do Fim do Mundo”, a comissão investigou o ex-assessor do então ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, Waldomiro Diniz e o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci.

 

Hoje, o deputado Onyx Lorenzzoni (DEM-RS) defendeu o desarquivamento dos documentos da CPI. “Lá [CPI dos Bingos], estão todos os documentos que indicam o início dessa investigação. Estão todas as quebras de sigilo. Os documentos estão aqui, as informações estão na Secretaria do Senado. A defesa que o DEM faz é que nós iniciemos pela CPI dos Bingos e que, na próxima semana, foi o apelo que eu fiz ao presidente [da CPMI do Cachoeira], já se faça a convocação e se apresente os pedidos de quebra de sigilo”, destacou.

 

“Nos arquivos da CPI dos Bingos, há depoimentos importantes como o do Waldomiro Diniz, que traz a origem, a continuidade e a estruturação da organização criminosa comandada por Carlos Cachoeira”, completou Lorenzzoni.

 

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) também concorda com o desarquivamento da CPI dos Bingos. “Com o desarquivamento da CPI dos Bingos eu concordo, mas só com esse [pedido]. Tem tudo a ver. O Cachoeira era um dos principais investigados e temos tudo arquivado aqui”, disse.

 

Carlinhos Cachoeira é suspeito de comandar a exploração do jogo ilegal em Goiás e foi preso na Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, em 29 de fevereiro. Escutas telefônicas realizadas durante a investigação indicaram contatos entre Cachoeira e o senador democrata Demóstenes Torres (GO), que, após as denúncias, pediu afastamento da liderança do DEM no Senado, no mês de março.

 

Há ainda suspeitas de que exista uma rede de políticos ligados a Cachoeira. Essa rede teria, inclusive, distribuído telefones antigrampos para políticos. Pressionado, Demóstenes pediu afastamento da liderança do DEM no Senado em 27 de março. O senador também enfrenta um processo no Conselho de Ética devido a uma representação apresentada pelo PSOL e teve seu sigilo bancário quebrado por uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski.

 

Em abril, o presidente do DEM, senador José Agripino Maia (RN), acatou decisão do partido de abrir um processo de expulsão contra o senador que, no dia seguinte, pediu a desfiliação da legenda.

 

Nesta quarta-feira, os integrantes da CPMI do Cachoeira aprovaram requerimentos do relator, deputado Odair Cunha (PT-MG), para requisição de documentos referentes aos inquéritos das operações Vegas e Monte Carlo, promovidas pela Polícia Federal, Procuradoria-Geral da República e STF.

 

De acordo com o presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), as reuniões ocorrerão sempre às terças, quartas e quintas-feiras na parte da tarde. Na próxima semana, devido ao feriado de 1º de maio cair na terça-feira, a CPMI fará duas reuniões na quarta, uma delas, de caráter administrativo.

 

Fonte: Agência Brasil