Início Plantão Brasil Crédito Caixa com garantia de imóvel cresce 550%

Crédito Caixa com garantia de imóvel cresce 550%

A Caixa Econômica Federal registrou, em 2011, R$ 2,1 bilhões em saldo de operações contratadas pelo Crédito Aporte CAIXA, uma linha de crédito pessoal sem destinação específica que aceita imóvel como garantia. O valor representa um crescimento de 550% em relação a 2010.   Para este ano, o banco espera atingir o volume de R$ 5 bilhões, em saldo, na operação. No Rio de Janeiro, o saldo registrado foi de R$ 187,8 milhões, com 1.028 operações contratadas.

 

Em 2011, a CAIXA ampliou as condições para o Crédito Aporte. O prazo máximo de contratação foi ampliado de 120 para 180 meses, permitindo ao cliente contratar um crédito maior, ou pagar uma prestação mensal menor, reduzindo o impacto no seu orçamento. Além disso, o imóvel único também passou a ser aceito como garantia, assim como o imóvel rural.

 

O Crédito Aporte é uma modalidade de empréstimo conhecida no mercado como Home Equity, refinanciamento de imóveis ou Sem Destinação Específica (SDE). A linha de crédito é comum em países desenvolvidos e vem ganhando força no Brasil. “O produto possui ótima procura por empreendedores que buscam crescimento de seus negócios, e por clientes que usam a operação para investir, reformar imóveis ou até quitar dívidas mais caras”, comenta o diretor executivo de Pessoa Física da CAIXA, Edilo Ricardo Valadares.

Condições do Produto:


No Aporte CAIXA, o crédito pode chegar a até 70% do valor de avaliação do imóvel, e não há limite máximo de valor para o empréstimo, ou do valor de imóvel. O prazo máximo é de até 180 meses e as taxas variam de 1,35% a 1,76% ao mês, mais TR. São aceitos como garantia da operação imóvel residencial, imóvel comercial ou terreno, e imóvel rural que possa ser apresentado como garantia (alienação fiduciária).

 

O cliente interessado pode procurar qualquer agência da CAIXA, que fará uma avaliação do imóvel oferecido em garantia e da capacidade de pagamento do tomador. Para empréstimos até R$ 200 mil, o documento oficial de cobrança do IPTU poderá ser aceito como referência para a avaliação, proporcionando agilidade e rapidez ainda maior para a análise do crédito.

 

Fonte  CAIXA