Início Plantão Rio Curso de teatro leva alegria e esperança à comunidade de manguinhos

Curso de teatro leva alegria e esperança à comunidade de manguinhos

 

 

Uma companhia de teatro que foge do convencional e pretende não apenas formar atores, mas abrir as portas do conhecimento para que os artistas criem um novo grupo teatral com estrutura própria sustentável, vem atraindo jovens e adultos para o projeto Manguinhos em Cena. Ao todo, 27 moradores da comunidade e do entorno fazem parte do curso de teatro oferecido pela Companhia do Gesto, na Biblioteca Parque de Manguinhos.

 

 

O projeto, que começou em março, inclui oficinas de corpo e máscara; palhaço; improviso e jogo; voz e musicalização; confecção de máscaras; criação; produção cultural; olhar sobre a cena; e o jogo de teatro em grupo. A técnica foge do convencional porque ensina os alunos a se expressaram gestualmente, enfatizando os movimentos do corpo para expressar as emoções.

 

Segundo o diretor da Companhia do Gesto, Luis Igreja, as aulas mexem com as pessoas porque incluem exercícios de observação e autoreflexão.

 

 

– A ideia é que eles (alunos) entrem em contato com suas características mais marcantes e saibam como colocá-las em cena. O interessante é que muitos deles nunca tinham percebido algumas delas. Trabalhamos a partir da percepção de cada um sobre si mesmo, para que eles conheçam e zerem suas máscaras – disse.

 

 

Teatro será inaugurado em dezembro Instruções sobre iluminação, sonoplastia, figurino e todos os setores das artes cênicas também estão incluídos no curso, que culminará na apresentação de um espetáculo, em dezembro, no teatro que será inaugurado na mesma ocasião. Atento às oportunidades sociais da comunidade, o agente de limpeza urbana Haroldo César Silva, 49 anos, viu na oficina a oportunidade de ingressar no mundo da dramaturgia. Compositor de sambas e autor de dois livros, ele agora quer escrever peças teatrais.

 

 

– Por força do trabalho na Comlurb, conheci essa biblioteca maravilhosa e comecei a participar das oficinas. Aprendi a fazer cordel com a Universidade das Quebradas e integrei a equipe de laboratório da Revista Fator X, criada aquiem Manguinhos. Não tive muitas oportunidades na vida, mas sempre quis fazer um curso de teatro. Quero conhecer esse universo e escrever uma peça. Atuar seria um segundo plano – afirmou o compositor.

 

Fonte: Governo do Rio