Início Plantão Rio Debate no RMC discute a Olimpíada como agente do desenvolvimento econômico sustentável

Debate no RMC discute a Olimpíada como agente do desenvolvimento econômico sustentável

rmc1

 

A realização da Olimpíada no Rio de Janeiro deve ser considerada a porta de entrada para uma ampla discussão e para implementação de metas que garantam o desenvolvimento econômico sustentável da cidade. O sucesso desta iniciativa pôde ser medido já na Cerimônia de Abertura dos Jogos Rio 2016, no dia 05/08, quando a sustentabilidade foi tema central da festa. Esta foi a avaliação feita durante debate sobre o tema, realizado nesta quinta-feira (18/08), no Rio Media Center (RMC), entre jornalistas e representantes da Prefeitura do Rio, do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralimpicos Rio 2016, e de entidades que trabalham a questão do desenvolvimento sustentável.

 

 

A representante do Comitê Organizados dos Jogos Rio 2016, Tânia Braga, ressaltou a importância da parceria entre os setores públicos e privados na implementação de medidas para melhorar a qualidade de vida das pessoas e desenvolver a economia sustentável em larga escala. De acordo com Tânia Braga, a Olimpíada tem um papel fundamental na adoção de iniciativas inovadoras, que vão desde a racionalização das operações dos Jogos com vista à redução de emissão de gás carbônico até a preparação de mão de obra consciente.

 

 

A expectativa de emissão durante o período olímpico era de 780 mil toneladas de gás carbônico, mas foi reduzida para 490 mil na fase pré-Jogos, e deve cair ainda mais no balanço final. Houve um trabalho intensivo de compensação na emissão de gás, por meio da transformação dos modelos produtivos em setores fundamentais da economia, como a pecuária e a agricultura. A recuperação ambiental do mangue, no Complexo Esportivo de Deodoro, na Zona Oeste, e o reflorestamento da área degradada onde está localizado campo de golfe, também foram tratadas como prioridades.

 

 

“A Olimpíada é um momento onde a gente faz uma movimentação muito grande de pessoas e coisas na cidade, em um período restrito de tempo, e o objetivo é olhar para estas atividades e criar uma semente que possibilite as mudanças em direção ao desenvolvimento econômico sustentável” frisou Tânia Braga, satisfeita com o resultado obtido até agora.

 

 

 

Representando a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, o Assessor Especial do Gabinete do Prefeito Eduardo Paes e Gerente do Programa de Desenvolvimento Sustentável, Rodrigo Rosa, destacou a revitalização da Zona Portuária, os avanços na mobilidade urbana e o trabalho de despoluição da Baía de Guanabara. Rodrigo Rosa lembrou a importância da Rede de Cidades C40, da qual o Rio faz parte, que reúne mais de 80 cidades que trabalham para combater as alterações climáticas e reduzir as ações urbanas que aumentam as emissões de gases com efeito estufa. “O Rio redescobriu sua Baía de Guanabara; conquistamos avanços significativos e vamos continuar nesta direção”, disse Rodrigo Rosa.

 

 

O debate sobre sustentabilidade no RMC contou ainda com as presenças do diretor-executivo da Casa Fluminense, José Marcelo Zacchi; do empresário Oskar Metsavaht, do Instituto E”; e Rodrigo Medeiros e Marcos Simões, da Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável (SDSN, em inglês), uma entidade internacional com representação no Brasil.

 
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here