Início Plantão Rio Dino Rangel homenageia a música instrumental neste sábado, dia 14, na Arlequim

Dino Rangel homenageia a música instrumental neste sábado, dia 14, na Arlequim

No próximo sábado, dia 14, às 15h, o guitarrista e violonista Dino Rangel vai elevar a música instrumental na Arlequim, no Paço Imperial. Acompanhado por MazinhoVentura (baixo) e Vitor Vieira (bateria), o guitarrista  selecionou para o repertório obras-primas de Tom Jobim (“Radamés y Pelé”, “Falando de amor” e “Bate-boca”, dentre outras), releituras de Guinga (“Di menor”), Garoto (“Lamentos do Morro”) e Severino Araújo (“Chorinho pra você”), e, sem esquecer seu lado compositor, a autoral “Café”, dentre outras.

 

Após ser aluno dos guitarristas Sergio Benevenuto e Yan Guest, Dino Rangel residiu em Nova York, tocando em grupos brasileiros e tendo aulas com guitarristas de jazz, até 1991, quando retornou ao Brasil dando início a sua carreira profissional.

 

 

Em 1994, excursionou por vários países da Europa com o grupo Brasiliana. Participou de shows e gravações com Guinga, Léo Gandelman, Arthur Maia, Marcelo Salazar, Rogério Souza, Zé Canuto, Marcio Ciribelli, Fred Martins, Watusi, Vanessa Barum, Felicidade Susy, Bia Bedran, Beth Bruno, Baby do Brasil, Ithamara Koorax e Ednardo.

 

 

Em 1998 estreou seu primeiro disco solo pelo selo Niterói Discos, assinando a metade das dez faixas do CD ´Café´, além de composições do trompetista Luisão Ramos. Tom Jobim e Peter Pan ganharam inspiradas releituras de “Antígua” e “Se queres saber”, respectivamente. Acompanhado por músicos como Arthur Maia, Zé Canuto, Márcio Bahia, Marcos Nimrichter e Cláudio Infante, entre outros, Dino também foi o arranjador da maioria das faixas.

 

 

Dez anos depois, Dino Rangel apresenta seu segundo cd solo, com a participação dos músicos Márcio Bahia (bateria), Zé Canuto (sax, flauta e arranjos), Mazinho Ventura(baixo), Marcos Nimrichter (piano e acordeon), David Feldman (piano), Ney Conceição(baixo) e Beth Bruno(vocal). Com obras de autores como Guinga, Tom Jobim, Garoto, Dori Caymi, Victor Assis Brasil, o cd do guitarrista passeou pelo samba, choro, toada, baião e frevo.

 

 

Dentre este hiato entre os discos solos, participou, em 2001, do cd “Jazz from Brazil”, compilação do jornalista e produtor Arnaldo DeSouteiro, com a faixa “Antígua” (Tom Jobim), junto de Eumir Deodato, Cláudio Roditi e Ithamara Koorax. Lançado no Japão, Europa e EUA, o cd  foi indicado ao GRAMMY como melhor álbum de Latin Jazz.

 

 

Hoje, o guitarrista divulga sua obra, seja em trio ou em quarteto, ministrando também oficinas de guitarra e participando de diversos festivais pelo Brasil e Europa.

 

 

14/04 – Música na Arlequim – Dino Rangel Trio – sábado , 15h

O guitarrista, acompanhado por MazinhoVentura (baixo) e Vitor Vieira (bateria), apresenta um repertório com obras de Tom Jobim (“Radamés y Pelé”, “Falando de amor” e “Bate-boca”), releituras de Guinga (“Di menor”), Garoto (“Lamentos do Morro”) e Severino Araújo (“Chorinho pra você”), além de composições autorais.

 

 

Endereço: Praça XV de Novembro, 48, Loja 1 – Centro – Rio de Janeiro – RJ Telefone.: (21) 2524-7242 (reserva)

Entrada: R$15,00 (couvert artístico)