Início Plantão Rio Estado lança campanha para conscientizar ciclistas sobre importância do uso do capacete

Estado lança campanha para conscientizar ciclistas sobre importância do uso do capacete

 

Depois de três anos e três meses de operações bem-sucedidas nas ruas coibindo motoristas que dirigem alcoolizados, o que resultou na redução de 34% no índice de mortes por acidentes automobilísticos no estado, a Operação Lei Seca, da Secretaria de Governo, lançou agora a campanha para conscientizar ciclistas sobre a importância do uso do capacete, uma prática pouco comum entre as pessoas que utilizam o veículo para o lazer ou para o trabalho, como forma de evitar danos em caso de acidentes.

 

Neste fim de semana, equipes de cadeirantes estão distribuindo panfletos nas ciclovias da orla de Copacabana e Ipanema e do Aterro do Flamengo, com o slogan Capacete: Ciclista Que Tem Cabeça, Usa. A ação procura alertar os ciclistas de que o equipamento não é acessório, mas proteção e segurança para quem gosta de pedalar. Nem todos sabem que, muitas vezes, a negligência pode causar complicações graves em caso de quedas bruscas, segundo o coordenador da Operação Lei Seca, major Marco Andrade.

 

– O ciclista é usuário do trânsito e como tal está sujeito a sofrer acidentes. Cerca de 80% das pessoas que usam bicicleta se envolvem em algum tipo de queda e 13% dessas quedas se traduzem em traumatismo crânio encefálico. Por isso, a Operação Lei Seca decidiu se engajar nesta campanha de prevenção – afirmou o coordenador.

 

Nos panfletos distribuídos, há o alerta de que hoje em dia é cada vez maior o número de acidentes com consequências graves para quem anda de bicicleta sem capacete, sendo que crianças, adolescentes e idosos são os ciclistas que mais se machucam.

 

– Em caso de queda, a criança tem probabilidade de ter um traumatismo cranioencefálico quatro vezes maior do que um adulto. Mas é importante que as pessoas de todas as faixas etárias contribuam com esta campanha por um trânsito mais seguro – disse o major, que pretende repetir periodicamente a ação em outros pontos da malha cicloviária da cidade.

 

Márcio José de Magalhães, instrutor de bicicleta, de 37 anos, não apenas usava o capacete ao pedalar pela ciclovia de Copacabana, neste sábado, como procura alertar os seus alunos para a importância do uso não apenas desse, mas de todos os equipamentos de segurança, como joelheiras e cotoveleiras.

 

– Em caso de queda, assim ele não se machucam. E, como a gente sabe, acidentes acontecem a qualquer momento – advertiu o instrutor.

 

Providência negligenciada pelo administrador Edmilson Dias da Silva, 50 anos, morador de Copacabana. Pedalando pela ciclovia sem capacete, ele disse que procura andar devagar e com todo cuidado, embora admita que é mesmo perigoso.

 

– Encaro a ciclovia como área de lazer e ando consciente. Se usasse a bicicleta para o trabalho, aí eu usaria capacete. Mesmo assim, acho esta campanha importante porque tem muito desastrado nessas ciclovias que quer andar, sem se importar com os outros – afirmou o administrador.

 

Fonte: Governo do Rio