Início Plantão Brasil Estudantes da USP presos são transferidos para centro de detenção

Estudantes da USP presos são transferidos para centro de detenção

Os dois estudantes presos na reintegração de posse da reitoria da Universidade de São Paulo (USP) foram transferidos hoje (13) para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Osasco. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), eles foram detidos no início da manhã de ontem (12) quando saíam do prédio que permaneceu ocupado pelos alunos por 42 dias. A reitoria relatou diversos danos causados ao imóvel, a equipamentos e ao mobiliário durante a ocupação.

O advogado dos jovens, Teodomiro de Almeida, contesta a versão da polícia e diz que os rapazes estavam voltando de uma festa em um centro acadêmico quando foram presos. “Eles foram simplesmente perguntar a um policial o que estava acontecendo. O policial pegou e jogou [os estudantes] dentro do carro. Não disse nada para eles. Bateram neles durante o trajeto”, relatou o defensor que também é pai de Inauê Taiguara Monteiro de Almeida, de 23 anos. Ele e João Vitor Gonzaga, 27 anos, são alunos da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas (FFLCH).

O advogado disse que entrará com um pedido de relaxamento da prisão dos jovens. De acordo com Almeida, existem fotos que comprovam que os estudantes estavam em uma festa e não participaram da ocupação da reitoria. Eles foram os únicos presos durante a ação da Polícia Militar em cumprimento da decisão judicial para a retomada do prédio. Antes da chegada da Tropa de Choque, os ocupantes haviam deixado o local.

De acordo com o comunicado da reitoria, deve ser finalizada até amanhã (14) uma auditoria patrimonial no prédio para determinar a extensão dos prejuízos. Foram identificados até o momento furto de equipamentos, danos a móveis, arrombamento de portas e pichação de paredes. “Trata-se de uma barbárie diante dos paulistas que mantém a USP. Há meios legítimos em uma sociedade de direito plena para resolver questões ou impulsionar mudanças”, critica a nota.

Em nota, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) considerou a presença da Tropa de Choque uma atitude “autoritária, truculenta, e inadmissível no interior de um espaço universitário”. Os representantes do DCE destacam que o atual reitor, João Grandino Rodas, trata a educação como “caso de polícia”.

Agência Brasil