Início Plantão Barra Estupro em condomínio na Barra

Estupro em condomínio na Barra

Uma jovem de 19 anos foi violentada por quatro rapazes, três deles menores de idade, na noite de ontem (17/06) em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca, Zona Oeste. De acordo com policiais do 31º BPM (Barra), a estudante P. M. C. estava em uma festa e foi embriagada antes de ser agredida e estuprada. A vítima foi encontrada pelo pai, seminua e desacordada, em uma trilha nos fundos do condomínio. Exame realizado no Instituto Médico-Legal (IML) constatou que a jovem sofreu rompimento de hímen e lesão corporal.
O caso ocorreu por volta de 21h. A garota teria sido levada por um dos rapazes – identificado apenas como Ivan, que seria maior de idade – para a trilha. Lá, teria sido obrigada a beber uma mistura de vodka com energético. Depois de ela ficar alcoolizada, os  três adolescentes – F.D.F., R.P.B.M e C.M.C.R.C, todos de 17 anos – teriam aparecido e iniciado a violência sexual.
Preocupado porque a filha estava demorando a voltar para casa, o pai de P. começou a procurar por ela no condomínio. Foi quando teria notado uma movimentação na trilha que dá acesso à Lagoa de Marapendi e visto um dos jovens correndo.
Ao ver a estudante desacordada no matagal, o pai teria ido atrás do rapaz, que escapou, mas teria deixado cair o telefone celular. Pouco depois, o aparelho tocou e era a mãe do garoto querendo saber onde ele estava. Os dois teriam discutido, e a mulher ligado para o 190.
Quando os PMs chegaram, levaram a estudante para o Hospital Lourenço Jorge, onde médicos aplicaram glicose e soro, para que ela se recuperasse. Depois, foi submetida a exame de corpo delito no IML, onde foi constatada a presença de esperma na vagina e no ânus da garota. Os três menores acusados foram conduzidos à 16ª DP. O quarto rapaz, que teria atraído P. para o matagal, não foi localizado. Há informações de que ele não seria morador do condomínio.
Durante a madrugada, na delegacia, o pai de um dos jovens ameaçou agredir os jornalistas, enquanto um dos adolescentes mandava beijos para as câmeras. Depois de prestarem depoimento, os rapazes foram liberados.
A delegada de plantão se negou a passar qualquer informação à imprensa, alegando se tratar de uma "ação penal privada".

 

Fonte: Da redação