Início Plantão Mundo Filme: Corações Sujos no Japão

Filme: Corações Sujos no Japão

O longa Corações Sujos, de Vicente Amorim, estreia no Japão dia 21 de julho e o diretor já está em terras nipônicas para o lançamento, onde ficará até o dia 15 de junho. Vicente irá se encontrar com o protagonista do longa, o ator Tsuyoshi Ihara, uma das maiores celebridades japonesas. Esta foi a primeira vez que Tsuyoshi Ihara participou de um filme brasileiro.  No Brasil, o filme, que conta também com Eduardo Moscovis no elenco, entra em cartaz no dia 24 de agosto, distribuído pela Downtown Filmes. A distribuição japonesa está com a New Select.

 

 

Corações Sujos, produzido pela Mixer, com coprodução GloboFilmes, é baseado nos fatos e personagens reais retratados no livro homônino de Fernando Morais.  Com distribuição da Downtown Filmes, Corações Sujos já está com site oficial que pode ser acessado através do endereço:http://www.coracoessujos.com.br/

 

 


Filmado em locações nas cidades de Paulínia e Campinas entre os meses de abril e maio de 2010, Corações Sujos é o terceiro longa-metragem de ficção do premiado diretor Vicente Amorim, e traz no elenco alguns dos melhores atores do Japão na atualidade. Entre eles Tsuyoshi Ihara, protagonista de Cartas de Iwo Jima, de Clint Eastwood; Eiji Okuda, um dos atores e diretores de cinema e teatro mais premiados do Japão; Shun Sugata (de O Último Samurai e Kill Bill); Kimiko Yo (do filme A Partida, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2009), e ainda Takako Tokiwa, uma das maiores estrelas da TV japonesa.

 

 

 

Sinopse

Corações Sujos é um filme sobre intolerância, fundamentalismo, racismo e amor, baseado no best-seller de Fernando Morais e passado no interior de São Paulo logo depois da Segunda Guerra Mundial. Ele conta a história do imigrante japonês Takahashi, dono de uma pequena loja de fotografia, casado com Miyuki, uma professora primária. Inspirado em fatos reais, Corações Sujos  nos mostra a transformação de Takahashi de homem comum em assassino, enquanto sua mulher luta contra o destino, tentando em vão salvar seu amor em meio ao caos e à violência.

 

No Brasil, logo depois da guerra, a imensa população de imigrantes japoneses (a maior fora do Japão) era segregada e reprimida pelo Estado.  Para estes imigrantes, oprimidos numa terra estranha, a ideia de derrota na guerra era muito dolorosa.  Muitas organizações, alimentadas pela ignorância imposta a eles pelo governo brasileiro, nasceram dedicadas a divulgar a “verdade” da vitória do Japão na guerra e a reprimir e assassinar os “derrotistas” – os “corações sujos”.

 

 

Takahashi reluta, mas acaba se tornando membro de um destes grupos. A escolha feita por ele, em nome do Espírito Japonês, o transforma também num matador. E Miyuki, sua mulher, nos conta como sua história de amor se perdeu em meio à guerra fratricida – de japoneses contra japoneses – que aconteceu em pleno interior do Brasil.

 

 

Elenco principal

Tsuyoshi Ihara  (Takahashi)
Takako Tokiwa (Miyuki)
Eiji Okuda (Noboru Watanabe)
Kimiko Yo (Naomi)
Shun Sugata (Sasaki)
Celine Fukumoto (Akemi)
Eduardo Moscovis (Sub-Delegado)
André Frateschi (Cabo Garcia)
Issamu Yazaki (Aoki)
Ken Kaneko (Matsuda)

Ficha Técnica

Diretor: Vicente Amorim
Roteiro: David França Mendes
Autor (livro): Fernando Morais
Produção: Mixer, Downtown Filmes, Globo Filmes
Distribuição (Brasil): Downtown Filmes
Coprodução: Teleimage, RioFilme, Lereby
Produtores: João Daniel Tikhomiroff, Michel Tikhomiroff, Gil Ribeiro e Vicente Amorim
Coprodutores: Daniel Filho , Caique Martins Ferreira, Anne Pinheiro Guimarães,
Oliver Kwon e Bernardo da Fonseca
Produtores associados: Eiji Okuda, Yutaka Tashibana, Toru Iwasaki, Quanta,
Sony Pictures Brasil e Americas Film Conservancy
Produtor-executivo: Caique Martins Ferreira
Produtora delegada: Eliane Ferreira
Diretor de fotografia: Rodrigo Monte
Montagem: Diana Vasconcelos, ABC
Diretor de arte: Daniel Flaksman
Música: Akihiko Matsumoto
Figurino: Cristina Kangussu
Casting (Japão): Yutaka Tashibana
Casting (Brasil): Patrícia Faria
Maquiagem: Marilu Mattos
Pesquisa: Célia Oi

 

 

Fonte: Primeiro Plano