Início Plantão Brasil Governo reforça escolta policial de ônibus noturnos em Florianópolis

Governo reforça escolta policial de ônibus noturnos em Florianópolis

Foto de Internet

O governo de Santa Catarina, com apoio da prefeitura de Florianópolis, decidiu reforçar a escolta aos ônibus na Grande Florianópolis para que as empresas de transporte coletivo cumpram o horário mínimo, com linhas atendendo a todas as regiões das 6h às 23h. O assunto foi discutido em reunião entre o secretário estadual de Infraestrutura, Valdir Cobalchini, o secretário de Transportes de Florianópolis, Valmir Piacentini, e representantes do sindicato das empresas de transportes urbanos na região.

De acordo com o governo estadual, para preservar a segurança dos motoristas, cobradores e dos passageiros, 80 veículos, sendo 40 cedidos pela prefeitura e 40 pelo estado, serão usados para escoltar os ônibus a partir das 20h. O Comando da Polícia Militar vai deslocar os policiais que trabalhavam na Operação Veraneio para reforçar a ação.

 

 

Em nota, divulgada no início da tarde de hoje, o secretário Cobalchini admite que a situação é de “anormalidade”, mas destaca que a segurança dos trabalhadores do transporte coletivo e dos usuários “é prioridade absoluta” do governo. Ele acrescentou que o Departamento de Transportes e Terminais e a Secretaria Municipal de Transportes, junto com as empresas, estão finalizando um planejamento de linhas para que nenhuma região fique sem atendimento entre as 6h e as 23h.

 

O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo da Grande Florianópolis, Waldir Gomes, disse que as empresas estão preparadas para cumprir a determinação do governo. Segundo ele, a decisão tomada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Urbano da Grande Florianópolis (Sintraturb), de reduzir o horário especial que já estava sendo adotado pelas empresas de ônibus desde o início dos ataques, de manter a circulação dos ônibus entre as 7h e as 19h, não representa a vontade da maioria da categoria, que reúne cerca de 5 mil profissionais.

 

“A decisão do governo será acatada, até porque quem sofre mais com essa situação são os motoristas e cobradores, que ouvem diretamente da população as reclamações sobre problemas na utilização do serviço”, disse, acrescentando que nove empresas atendem a região.

 

Waldir Gomes ressaltou que o reforço na escolta será suficiente para evitar os ataques a coletivos e garantir a segurança dos funcionários e passageiros. Desde 30 de janeiro, quando teve início a onda de violência em Santa Catarina, 37 ônibus foram incendiados na região. Nesse período, foram registrados 100 atos violentos em 30 municípios.

 

Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here