Início Plantão Brasil Líderes da medicina no mundo alertam para ruptura do sistema de saúde...

Líderes da medicina no mundo alertam para ruptura do sistema de saúde da Síria

Cinquenta líderes da medicina do mundo, incluindo prêmios Nobel, alertaram que o sistema de saúde sírio está em um ponto de ruptura e exigiram às partes em conflito que suspendam os ataques contra profissionais e unidades de saúde.

 

 

“Os governos que apoiam as partes nessa guerra civil devem exigir que todos os atores armados suspendam imediatamente os ataques a pessoal médico, instalações, doentes e equipamentos médicos”, pediram os responsáveis em carta aberta publicada hoje na revista científica Lancet.

 

 

Os médicos exigem ainda que as partes envolvidas no conflito permitam que medicamentos e cuidados de saúde cheguem aos sírios, mesmo que tenham de atravessar linhas de combate ou fronteiras.

 

 

Os autores da carta denunciam ataques “deliberados e sistemáticos” a instalações médicas e a profissionais de saúde, que insistem não ser uma consequência inevitável ou aceitável do conflito. “Estes ataques são uma traição inconcebível ao princípio da neutralidade médica”, enfatizaram.

 

 

Os escritores citam a Organização Mundial de Saúde (OMS), segundo a qual 37% dos hospitais sírios foram destruídos e outros 20% gravemente danificados. Eles mencionam, ainda, dados que estimam que 469 profissionais de saúde estejam presos e cerca de 15 mil refugiados em outros países. “Dos 5 mil médicos em Aleppo antes do conflito, restam apenas 36”, exemplificaram.

 

 

“Ferimentos terríveis estão para ser tratados; mulheres estão dando à luz sem assistência médica; homens, mulheres e crianças estão sendo submetidos a cirurgias vitais sem anestesia”, alertaram.

 

 

“Apelamos às Nações Unidas e aos doadores internacionais que aumentem o apoio às redes médicas sírias, tanto nas áreas do governo como nas da oposição, onde desde o início do conflito os profissionais de saúde têm arriscado a vida para prestar serviços essenciais em um ambiente extremamente hostil”, segundo a carta.

 

 

No documento, os autores – entre os quais há três prêmios Nobel, um ex-diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros altos responsáveis médicos de países como o Reino Unido, os Estados Unidos, a Rússia, a Índia, a Turquia e o Brasil – escrevem estar “horrorizados” com a dimensão da emergência na Síria, que admitem ser “uma das piores crises humanitárias do mundo desde o fim da Guerra Fria”.

 

 

“Como médicos e profissionais de saúde, exigimos urgentemente que os colegas médicos da Síria sejam autorizados e apoiados a tratar os doentes, salvar vidas e aliviar o sofrimento sem medo de ataques ou represálias”, escreveram os autores da carta.

 

 

O conflito na Síria começou em 2011 após a violenta repressão governamental a protestos populares. Desde então, segundo a ONU, mais de 100 mil pessoas morreram e cerca de 2 milhões refugiaram-se em países vizinhos, especialmente na Jordânia, na Turquia e Líbano.

 

Agência Brasil