Início Plantão Brasil Luta contra a Poliomielite

Luta contra a Poliomielite

Dados da primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação Contra Poliomielite divulgados nesta segunda-feira, 22, apontam que 11,6 milhões de crianças menores de cinco anos foram vacinadas em todo o país. O balanço parcial –consolidado às 17h00 – mostra 75,16% de cobertura da população-alvo, que é atingir 14,7 milhões de crianças. Este número representa 95% do total deste segmento populacional, o que representa cerca de 15,5 milhões de menores de até cinco anos (ver tabela 2).

Nos próximos dias, a vacinação continua em todos os municípios, inclusive em zonas rurais e localidades de difícil acesso, como a região amazônica. As Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde são responsáveis pela atualização dos dados nas próximas semanas. Até o momento, de acordo com o balanço preliminar, as coberturas por região ficaram em 86,85% no Sul, 79,96% no Sudeste, 69,1% no Nordeste, 73,52% no Centro-Oeste e 62,79% no Norte (ver tabela 1).

Com o slogan “Não dá pra vacilar. Tem que vacinar.”, a campanha recebeu R$ 46 milhões em investimentos do Ministério da Saúde. Do total, R$ 21,8 milhões foram aplicados na aquisição dos imunobiológicos (vacinas); R$ 13,2 milhões foram transferidos para os Fundos Estaduais e Municipais de Saúde; e R$ 11 milhões foram investidos em ações de comunicação e publicidade para as duas fases da mobilização. Ao todo, 115 mil postos de vacinação participaram da primeira etapa da campanha, com o envolvimento de cerca de 350 mil pessoas e a utilização de cerca de 40 mil veículos (terrestres, marítimos e fluviais).

O Brasil, assim como toda a América Latina, já recebeu da Organização Mundial de Saúde (OMS) o certificado de que não há circulação do vírus da poliomielite no território nacional. Essa vitória sobre o vírus ocorreu, sobretudo, pelas campanhas e dias de vacinação, realizados desde a década de 80. “Atualmente, a importância da vacina é manter o país livre da circulação do vírus. As gotinhas não têm contra-indicações. A aplicação não provoca dor e a vacina é a única forma de prevenir a doença”, explica a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, Maria Arindelita Arruda.

Fonte: Agência Saúde