Início Plantão Rio Mobilidade urbana no Rio de Janeiro

Mobilidade urbana no Rio de Janeiro

O secretário estadual de Transportes Julio Lopes participou  de mesa redonda promovida pelo sistema Firjan, no auditório da entidade, cuja pauta era Mobilidade Urbana e Projetos para a Copa e os Jogos Olímpicos. Os participantes do primeiro painel, entre eles o subsecretário de Transportes, Delmo Pinho, e o secretário Municipal de Transportes, Alexandre Sansão, se dedicaram a avaliar o projeto de transportes para os Jogos Olímpicos como solução do problema de mobilidade urbana no Rio.

Na abertura do evento, o presidente da casa, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, destacou a necessidade de se rever o sistema atual de transportes no Rio de Janeiro. Ele informou que, segundo estudo feito pela própria entidade, há indícios de um crescimento contínuo dos congestionamentos na cidade do Rio de Janeiro, o que geraria perdas consideráveis ao setor industrial. Eduardo Eugenio atribuiu à prevalência do transporte rodoviário uma das principais razões dos problemas urbanos do Rio e questionou a funcionalidade de alguns projetos estruturais que serão desenvolvidos para os Jogos Olímpicos de 2016.

O subsecretário Delmo Pinho esclareceu que o projeto apresentado ao COI na época da escolha da sede dos Jogos previa uma solução na área de transportes que atendesse prioritariamente às necessidades do evento, mas que também deixasse importante legado para a cidade. O transporte foi um dos pontos mais fortes da candidatura do Rio, que garantiu a eleição da cidade. Ele disse ainda que os problemas de transporte da Região Metropolitana do Rio de Janeiro são mais complexos e necessitam de dedicação muito maior e por isso contam com dedicação total da Secretaria.

Para o secretário estadual de Transportes, Julio Lopes, as integrações intermodais previstas, assim como a extensão do metrô e a viabilização dos corredores expressos para ônibus são grandes impulsionadores da reestruturação trafegária.

– O meio mais eficaz será aquele que apresentar a maior gama de integrações. O mote do programa olímpico era que não bastava ser a melhor ideia do ponto de vista acadêmico, mas, sim, que eles tivessem a maior possibilidade de viabilização. Os BRTs, por exemplo, foram absolutamente fundamentais para a vitória do Rio nesta concorrência. A instalação dos corredores expressos será conjugada entre as linhas de metrô e de trem. Esses sistemas não isolam uns aos outros, pelo contrário, eles facilitam e completam os deslocamentos – explicou o secretário Julio Lopes.

Fonte: Secretaria de Transportes