Início Plantão Rio Moradores transformam suas casas para oferecer hospedagem a turistas

Moradores transformam suas casas para oferecer hospedagem a turistas

 

Em busca de estadia de boa qualidade no Rio de Janeiro, a espanhola Liz Massip, 24 anos, seguiu o conselho de um estudante em intercâmbio para se instalar no hostel Favela Inn, no morro do Chapéu-Mangueira, no Leme, Zona Sul do Rio. Assim como ela, centenas de turistas procuram nas comunidades pacificadas alternativas de hospedagem com preços acessíveis e a hospitalidade típica do carioca, que em nada devem aos tradicionais hotéis da cidade.

 

Graduanda em Políticas Públicas pela Universidade de Pompeu Fabra, Barcelona, Liz não titubeou ao optar pelo albergue. A possibilidade de se inserir no cotidiano da favela, que recebeu uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) em junho de 2009, e ver de perto o que o governo tem feito pelas comunidades pesaram positivamente na decisão.

 

– Vim visitar e gostei do ambiente, das pessoas e da vista para o mar, claro. É muito mais interessante ficar aqui porque você não sai da favela para nada. Estou terminando meu curso e terei ainda três meses para curtir o Rio – diz a jovem, que deixará a cidade no fim do ano.

 

Inaugurado em fevereiro de 2011, o Favela Inn tem capacidade para 26 pessoas e emprega 30 moradores da comunidade. Depois de receber uma horta orgânica, painéis solares para eficiência energética e ter sua laje decorada com material reciclável, transformou-se no projeto-piloto de sustentabilidade de um programa do Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas, junto à Souza Cruz, com foco na Rio+20.

 

A fachada ganhou novos ares, com desenhos do artista plástico Cocco Barçante, consultor do Sebrae, e os funcionários foram capacitados para fazer gestão dos resíduos sólidos e uso racional da água.

 

Ex-dona de casa, a administradora do hostel, Cristiane de Oliveira, se qualificou em gestão empresarial e marketing para ampliar o negócio, mas aposta no acolhimento para receber os visitantes. As diárias variam entre R$ 35 e R$ 100, com direito a café da manhã e livre uso das dependências, o que faz com que eles se sintam em casa.

 

– Trabalhamos com estudantes na baixa temporada e turistas na alta. Já recebemos pessoas de mais de 50 países e muitos deles voltam para trazer amigos. Nosso maior marketing é feito por quem passa por aqui – relata Cristiane.

 

Aluguel de casas aumenta orçamentos

Os empresários franceses Bruno Sartre e Nicolas Robichez (foto) optaram pelo Vidigal para morar. Há três meses, eles alugam por R$ 1.200 um quarto privativo na Casa Alto Vidigal, que fica no topo do morro, local conhecido como Arvrão. Enquanto regulamentam uma empresa que desenvolve estruturas flutuantes para a construção civil, eles planejam abrir uma pequena creperia na varanda do quarto e implementar projetos sociais na comunidade.

 

– Estou buscando patrocinadores para abrir uma escola de idiomas a preços simbólicos, porque o desenvolvimento turístico do Rio para a Copa e os Jogos Olímpicos vai exigir que as pessoas falem outras línguas. Também pretendo trazer um projeto que desenvolvi no Haiti para oferecer projeções de cinema a R$ 1 ou de graça – adianta Nicolas.

 

No Santa Marta, ainda não há albergues ou pousadas. Mas como a procura dos turistas por locais de hospedagem é grande, os moradores passaram a alugar suas casas para complementar o orçamento. Um deles é Thiago Firmino, guia turístico local, que desde 1999 oferece seu quarto a visitantes conhecidos ou indicados por amigos. Ele cobra R$ 60 por dia na baixa temporada, valor que inclui o café da manhã e um passeio pela comunidade.

 

– Tem gente que me liga interessada em viver a realidade da favela, procurando um lugar onde dê para tomar um banho legal e dormir bem. Então indico famílias que têm casas mais humildes e precisam de um dinheirinho extra – afirma.

 

Fonte: Governo do Rio