Início Destaque Operação policial fecha Linha Vermelha e prende traficante no RJ

Operação policial fecha Linha Vermelha e prende traficante no RJ

A Polícia Militar realizou duas operações na manhã desta quarta-feira (12), que levaram ao fechamento da Linha Vermelha, via expressa que liga ao Aeroporto Internacional do Galeão.

Houve confronto com criminosos na Cidade de Deus, maior comunidade na zona oeste. A via foi reaberta por volta das 13h, mas muitos motoristas que passavam pelo local entraram em pânico, tentando voltar de marcha a ré.

A operação na Maré levou à prisão do traficante Paulo Roberto Taveira, conhecido como Cara Preta, apontado como o chefe do tráfico de drogas no Morro Chapéu Mangueira, no Leme, zona sul. Foragido desde 2017, havia uma recompensa de R$ 1 mil por sua prisão, no portal dos procurados.

Rio de Janeiro - Tropas da PM circulam na Cidade de Deus, após operação no fim de semana, com queda de helicóptero e pelo menos 11 mortes  (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Na Cidade de Deus, criminosos impediram a movimentação de
 blindados da PM - Arquivo/Agência Brasil

Participaram da ação equipes do Comando de Operações Especiais (COE), Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq), do Batalhão de Ações com Cães (BAC) e do Grupamento Aeromóvel (GAM).

Segundo a PM, equipes do Choque apreenderam na Maré uma espingarda calibre 12, carregadores, munições, uma tonelada de drogas e um bloqueador de sinal GPS.

Confronto

Na Cidade de Deus, policiais entraram em confronto com traficantes armados com fuzis, logo no início da manhã. Os criminosos atiraram contra as equipes a partir de muros de concreto com furos no meio, construídos para impedir as ações policiais e proteger os traficantes. O blindado da polícia não conseguiu progredir no terreno, pois os criminosos construíram diversas barreiras nas ruas, com trilhos de trem e concreto.

Os policiais estavam dando apoio a uma ação da prefeitura do Rio de Janeiro de demolição de casas construídas irregularmente à beira de um rio. Dois imóveis chegaram a ser demolidos e outros 27, que estavam habitados, foram notificados para serem desocupados.