Início Plantão Rio Parceria de UPP com empresa dá emprego a portadores de necessidades especiais

Parceria de UPP com empresa dá emprego a portadores de necessidades especiais

Parceria-de-UPP-com-empresa-Uma parceria das UPPs com a empresa Masan Alimentos, Firjan e a ONG Entre Amigas lançou em comunidades pacificadas o Projeto “Quebrando Barreiras”, que desde 2011 já capacitou 438 moradores jovens, adultos e portadores de necessidades especiais. Do total de beneficiados, 110 pessoas foram empregadas pela Masan e 81 conquistaram vagas no mercado de trabalho em outras empresas.

O Centro de Capacitação Culinária da Masan, montado na sede da ONG Entre Amigas, oferece cursos de cozinheiro, auxiliar de cozinha, lactarista e copeiro. A ideia central do projeto é formar mão de obra qualificada no segmento de alimentação, criando mais possibilidades de acesso ao mercado de trabalho.

Alexandre Sapucaia disse que projeto começou no Morro da Providência.

– Nós começamos com a cozinha industrial que fica na Providência. E com o decorrer do tempo foram surgindo mais UPPs e fomos precisando chamar mais parceiros – explicou o gerente de responsabilidade social da Masan, Alexandre Sapucaia.

Alexandre contou a história do morador do Turano, Fábio Barbosa, que tem deficiência motora, e hoje trabalha como recepcionista na Prefeitura do Rio.

– Percebi que ele não tinha perfil para cozinha. Cheguei a perguntar se ele gostava de cozinhar, e a resposta foi negativa. Montei um curso com noções de administração, informática, atendimento ao cliente e técnico de recepção. Eu mesmo criei o módulo porque vi interesse nele – afirmou Alexandre, orgulhoso.

O projeto “Quebrando Barreiras” também transformou a vida da judoca Vanessa Reis, moradora de Manguinhos. Patrocinada pela Masan, a atleta que é funcionária da empresa, já possui 60 medalhas: 42 de ouro, 12 de prata e seis de bronze. Por dois anos consecutivos, 2007 e 2008, Vanessa foi considerada a melhor atleta do ano pela Liga de Judô do Estado do Rio de Janeiro (Lijuerj).

– Só estou crescendo aqui. Penso em ganhar mais medalhas, me esforçar e vencer mais no judô e na vida”, disse Vanessa, de 26 anos, que tem deficiência auditiva e sonha em cursar Educação Física. “Se Manguinhos não estive pacificada, eu estaria sem profissão e desempregada. Com as UPPs a realidade da comunidade está mudando. Não é só a minha vida – disse a atleta.

Outra que teve a vida transformada após a pacificação é a Tânia Oliveira, que mora na comunidade do Batan.

– Eu fui uma das moradoras que alugou a casa. Não tinha mais como morar no Batan. Éramos reféns do tráfico. Só voltei para minha casa depois que entrou a UPP. Tenho um filho de nove anos. Ele não podia ficar no meio da violência. Agora, ele mora em um lugar normal. Vemos policiais na rua, cumprimentamos. Podemos entrar e sair de casa na hora que queremos e precisamos – explicou Tânia, lembrando que às vezes não podia nem trabalhar, nos dias em que tinha tiroteio. Tânia que fez o curso de auxiliar de cozinha (2012) e este ano conseguiu uma vaga no Hemorio, no setor de nutrição.

Nesta quinta-feira (22/8), haverá a formatura de mais uma turma. Moradores de nove comunidades participaram dos cursos. Entre elas: Mangueira, Complexo do Alemão, São João, São Carlos, Turano, Fogueteiro, Barreira do Vasco, Caju e Borel. No total, 94 alunos dos cursos de auxiliar de cozinha e lactarista receberão o certificado. E a boa notícia é que 18 pessoas já serão inseridas no mercado de trabalho. 15 alunos serão contratados pela Masan, e três por outras empresas.

 

Governo do Rio