Início Plantão Rio PM constrói favela cenográfica

PM constrói favela cenográfica

Uma favela de 1.800 m² instalada dentro de um Batalhão de Polícia Militar. A Cidadela de Instrução, Sobrevivência e Direitos Humanos, que fica no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), em Sulacap, foi construída para aperfeiçoar o treinamento de policiais em situações de conflito.

Nesta quarta-feira (05/08), cerca de 10 policiais participaram de uma simulação de conflito. Enquanto um grupo se passava por um bando de criminosos armados, outros puderam por em prática as instruções de abordagem, defesa e tiro, utilizando coletes à prova de balas, máscaras e armas de paintball.

Segundo o comandante do CFAP, tenente-coronel Josiel Havani dos Santos, durante os exercícios, serão observados o posicionamento do corpo e a maneira como o policial porta sua arma, para que eventuais erros sejam corrigidos, visando aumentar a segurança.

– As maiores dificuldades encontradas ao entrar nessas comunidades são as lajes e as vielas. Muitas vezes, ele é alvejado por tiros que vêm da parte alta da favela. Nosso objetivo é qualificar e aperfeiçoar a atuação e reduzir falhas – afirmou o comandante.

Os alunos também receberão instruções para lidar com conflitos onde há presença de moradores e pessoas inocentes, dando ênfase ao respeito dos direitos humanos e garantindo a segurança do cidadão.

– As próximas construções deverão simular creches, escolas, pontos de venda de entorpecentes, para que os policiais saibam lidar com diferentes situações e diferenciar criminosos e pessoas de bem, que são a maioria da população dessas comunidades – explicou o tenente-coronel.

A previsão é que cidadela fique pronta dentro de 20 dias, quando o local será inaugurado oficialmente. Ainda serão instalados no cenário uma torre de controle – com efeitos de luz, fumaça e som de tiro, de onde será comandado o treinamento – além de portas e janelas nas habitações.
O local estará disponível para treinamento de toda a corporação. As aulas serão diurnas e noturnas e devem constituir metade da carga horária do curso de formação. A expectativa, segundo Havani, é que, até 2010, sete mil novos aspirantes utilizem o local durante sua formação.

– Como a cidadela retrata um quadro muito próximo da realidade, certamente o policial militar que treinar aqui estará apto a enfrentar qualquer situação real dentro de uma comunidade. Todos os obstáculos e dificuldades simulados certamente serão encontrados lá fora – afirma o soldado Leonardo de Azevedo Silva, que ingressou há um mês na corporação.

 

Fonte: PM RJ