Início Plantão Rio Prefeitura do Rio investe em divertimento

Prefeitura do Rio investe em divertimento

Duas iniciativas lançadas pela Prefeitura do Rio, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMAC) vão tornar a cidade mais agradável e divertida: a retomada do Projeto Pedala Rio, agora com pagamento simplificado – inclusive com a adesão, até o final deste semestre, ao Sistema RioCard; e a inauguração do primeiro Circuito de Turismo de Aventura da cidade, no Parque Natural Municipal da Catacumba, na Lagoa.

No sistema de aluguel de bicicletas Pedala Rio, retomado após um processo de reestruturação para melhorar e tornar mais seguro o atendimento, a grande mudança é o sistema de pagamento, que ficou muito mais fácil. Agora, quem quiser usar uma bicicleta precisa apenas ir a uma das 19 estações já instaladas na Zona Sul e ligar para o telefone 3005-4316. Após fornecer o número do seu cartão de crédito, o usuário escolhe se prefere alugar por um dia (R$ 10) ou por um mês (R$ 20). Através de um sistema remoto, a bicicleta é liberada da trava eletrônica e pode ser utilizada por até uma hora sem custo adicional.

Caso o usuário permaneça com a bicicleta além do período de uma hora sem ir a nenhuma das estações do sistema, é cobrada uma taxa de R$ 5 por hora extra de uso. No entanto, se o cidadão devolver a bicicleta em qualquer estação antes desse prazo e liberar outra, aguardando apenas um intervalo de 15 minutos, não paga nada a mais – e esse procedimento pode ser repetido quantas vezes o usuário desejar, ao longo do dia ou do mês.

Quem quiser também pode se cadastrar e registrar sua forma de pagamento previamente no website do Pedala Rio (www.mobilicidade.com.br/rio, onde também há um mapa indicando a localização de todas as estações de aluguel). Assim, quando o usuário for retirar uma bicicleta basta pedir a liberação por telefone.

Também será possível alugar bicicletas com o RioCard, a partir do convênio entre a Fetranspor e a Serttel (empresa responsável pelo sistema de aluguel de bicicletas, vencedora da licitação). Em caráter experimental, o vale-transporte eletrônico será aceito a partir de hoje apenas na Estação 4, no Jardim de Alah. Em até 90 dias, no entanto, todas as 19 estações do Pedala Rio em Copacabana, Ipanema, Leblon, Humaitá, Gávea e Lagoa já estarão com a bilhetagem eletrônica disponível.

As estações e as bicicletas também foram renovadas, de modo a coibir furtos ou ações de vandalismo. Cada estação tem 14 bicicletas com nova identificação e na cor azul, equipadas com cesta e seis marchas de velocidade. As estações têm travas eletrônicas com sensores que indicam quando a bicicleta for retirada à força, alertando a Serttel para que esta acione a Polícia Militar, e ainda câmeras de controle e segurança – as primeiras estações a recebê-las foram as seis que ficam no entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas. Todo o equipamento é alimentado por painéis solares, instalados em postes ao lado de cada estação.

A iniciativa ainda é restrita à Zona Sul, mas de acordo com o secretário Municipal de Meio Ambiente e vice-prefeito do Rio, Carlos Alberto Muniz, a meta é levar o sistema a toda a cidade, tornando a bicicleta um modal de transporte como o carro de passeio, com a vantagem de ser não-poluente e saudável.

– Vamos expandir para que possamos, efetivamente, fazer com que a bicicleta se incorpore à malha viária da cidade como um meio de transporte, e não simplesmente como um meio de lazer – afirmou.

Nesse sentido, contou o vice-prefeito, já está prevista a implantação de ciclovias específicas e bicicletários para as estações dos sistemas de BRT que vão circular nas vias expressas TransOeste (que vai ligar Santa Cruz à Barra da Tijuca) e TransCarioca (que irá da Penha à Barra). Além disso, o Pedala Rio também será implantado no Centro do Rio, como parte do projeto de reestruturação dessa área, que inclui mudanças nas linhas de ônibus e o desestímulo ao uso de carros particulares.

– Assim a bicicleta e a ciclovia não são mais iniciativas em si, mas parte do planejamento geral de reformulação do transporte da cidade – explicou Muniz, lembrando que essas iniciativas estão dentro da meta, definida pela Secretaria de Meio Ambiente, de até o final de 2012 dobrar a malha cicloviária da cidade, atualmente com 150 Km de ciclovias e ciclofaixas.

Arvorismo e aventura

Além das bicicletas, os cariocas que gostam de esportes e não abrem mão de emoções fortes também ganharam um novo espaço, com a inauguração do Circuito de Turismo de Aventura da cidade, no Parque Natural Municipal da Catacumba. Implantado pela SMAC com apoio da Secretaria Municipal de Turismo e mantido por uma empresa especializada, que venceu a licitação para explorar seu uso pelos próximos dois anos e meio, o circuito é o primeiro do gênero a funcionar numa unidade de conservação ambiental da cidade.

No parque, a Prefeitura instalou dois circuitos de arvorismo, para adultos e crianças, e ainda muro de escaladas, tirolesa e plataforma de rapel. Os equipamentos ficam abertos de terça-feira a domingo, das 9h à 17h, com preços entre R$ 10 e R$ 35.

Além disso, no próprio Parque da Catacumba, que tem entrada gratuita e abre das 8h às 17h, guias ecológicos vão orientar os visitantes sobre questões ambientais, inclusive nas áreas em que a Secretaria de Meio Ambiente vem realizando ações de reflorestamento. Já foram plantadas mais de 300 mudas de espécies da Mata Atlântica (ipês, paineiras e aroeiras, entre outras), e a trilha de 300 metros foi restaurada e sinalizada até o mirante, de onde é possível contemplar toda a Lagoa Rodrigo de Freitas.

– O que fizemos aqui foi tornar o acesso ao parque mais amplo e mais dinâmico, com mais interesses para a população, que além de contemplar os espaços, a flora e a fauna, poderá também usufruir com mais elementos da vida do parque – explicou Carlos Alberto Muniz. Ele adiantou que a próxima unidade a receber um circuito de turismo de aventura e esportes radicais será o Parque Natural Municipal do Mendanha, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio.

Acompanhado pelo secretário municipal de Turismo, Antônio Pedro Figueira, Muniz contou ainda que as unidades de conservação ambiental da Prefeitura sob gestão da Secretaria de Meio Ambiente estão todas passando por uma grande transformação, somando esforços com outros órgãos da Prefeitura e com a iniciativa privada para dinamização dos parques, de maneira a oferecer mais opções de lazer e cultura em cada um sem, no entanto, mudar as características de cada espaço ambiental. Ele citou como exemplos a própria ação conjunta com a Sectur para implantar os circuitos de aventura e a parceria, firmada com a Comlurb, para limpeza e manutenção.

Fonte: Prefeitura do Rio