Início Plantão Rio Prefeitura do Rio lança campanha para incentivar o acolhimento de crianças em...

Prefeitura do Rio lança campanha para incentivar o acolhimento de crianças em estado de violência doméstica

Fotos: Paula Johas/PCRJ

 

 

A Prefeitura do Rio lançou, nesta sexta-feira (06/11), a campanha ‘Onde não falta amor, sobram motivos para acolher’, do Programa Família Acolhedora (Faco), coordenado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS).  A iniciativa pretende aumentar o número de voluntários acolhedores, ampliando o atendimento de crianças, adolescentes ou grupos de irmãos em situação de violência doméstica. A solenidade aconteceu no Museu Histórico Nacional, no Centro.

 

—Essa campanha só é possível graças à generosidade das famílias cariocas. A meta é ampliar o número de acolhedores porque abrigo não é o local ideal para crianças. O ambiente familiar é fundamental para que os acolhidos retomem suas trajetórias de vida — disse o vice-prefeito e secretário municipal de Desenvolvimento Social, Adilson Pires.

 

O Faco é um serviço de acolhimento desenvolvido pela prefeitura, desde 1998, que já atendeu três mil crianças e adolescentes. Este ano, o programa acompanha 272 vítimas de violência doméstica. Os acolhidos são temporariamente afastados de suas famílias de origem por determinação judicial e amparados por famílias voluntárias. O acolhimento representa a possibilidade de continuidade da convivência familiar em ambiente sadio para a criança ou adolescente.

 

Toda a família acolhedora recebe uma bolsa mensal por um período determinado pela Justiça.  Nesta sexta-feira, o vice-prefeito assinou a resolução que prevê o reajuste do valor da ajuda de custo, de R$ 680 para R$ 1 mil, repassados de acordo com o tipo de acolhimento a ser feito. O vídeo institucional da campanha foi apresentado, com destaque para a acolhida Thayná Costa Nazareth, 20 anos, e o casal Cruz, que protagonizam o filme com suas experiências pessoais.

 

— Meu sonho é ser sargento da Marinha.  Quero seguir a carreira militar e, no futuro, acolher alguma criança assim como eu fui bem recebida pela minha mãe Benedita — declarou Thayná, órfã de pai e mãe. 

 

Mãe de dois filhos biológicos, a dona de casa Benedita de Souza Machado, 53 anos, é uma das pioneiras do programa. Nos últimos 17 anos, cuidou de 20 crianças que foram reintegradas à família de origem. A única exceção é Thayná, de quem cuida há 10 anos.

 

— Esse programa me ensinou a amar. Sou muito grata a todas as crianças que conviveram comigo.  Dei muito amor e aprendi muito com todas elas. Enquanto tiver forças e puder oferecer o meu carinho, não vou hesitar em acolher mais alguém que precise.

 

A SMDS informou que a maioria das crianças e adolescentes que participa do programa retorna aos seus lares, após o período de acolhimento em lares substitutos. Cada família acolhedora deverá acolher uma criança ou adolescente por vez, exceto quando se tratar de grupo de irmãos, quando esse número poderá ser ampliado.

 

Casais, mulheres e homens solteiros podem ser acolhedores. As famílias acolhedoras são selecionadas, capacitadas e acompanhadas pela equipe técnica do Serviço de Acolhimento. Receber uma pessoa em acolhimento provisório não significa integrá-lo como filho. A família de apoio assume o papel de parceira no atendimento e na preparação para o retorno à família biológica ou substituta. Equipes multidisciplinares da SMDS acompanham, durante o período de acolhimento, a família acolhedora e a família de origem.

 

Para se tornar um acolhedor, é preciso ter disponibilidade afetiva, idade entre 25 e 55 anos, estar em boas condições de saúde física e mental, não possuir antecedentes criminais, possuir situação financeira estável, ter convivência familiar estável e livre de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes. A documentação exigida constitui em documentos pessoais (RG, CPF), comprovante de residência, comprovante de rendimentos, certidão negativa de antecedentes criminais, atestado de saúde física e mental.

 

Para mais informações sobre como se tornar um voluntário, qualquer cidadão pode entrar em contato com a coordenação do programa, pelo telefone 2976 1527.