Início Plantão Rio Prevenção contra as drogas a jovens na Maré

Prevenção contra as drogas a jovens na Maré

A Coordenadoria Especial de Prevenção à Dependência Química da Prefeitura do Rio firmou uma parceria com o Instituto Vida Real, que atua em programas educacionais na comunidade da Nova Holanda, uma das 17 favelas que formam o Complexo da Maré.  O objetivo do trabalho é promover junto aos jovens da comunidade ações integradas visando, principalmente, a questão da prevenção ao uso de drogas.
Nesta sexta-feira, a coordenadora Silvia Pontes realizou uma palestra com jovens da Nova Holanda, e constatou a necessidade da realização de um trabalho de prevenção mais técnico com esse público-alvo. Durante o encontro, técnicos da Coordenadoria provocaram questionamentos sobre as crenças e valores desses jovens, sobre como encaram a questão do uso de drogas, como enfrentam suas dificuldades e como dão sustentação aos seus projetos de vida.
– A crença da Coordenadoria é a de que o capital de maior retorno foi e sempre será aquele investido na  formação do jovem. Só fazemos melhor aquilo que repetidamente insistimos em melhorar. A busca da excelência não deve ser um objetivo, e sim um hábito – afirmou Silvia Pontes.
A coordenadora ressaltou a importância da parceria com o Instituto Vida Real e explicou que a missão é resgatar crianças e adolescentes (entre 11 e 18 anos) que já tiveram ou se encontram em situação de vulnerabilidade ocasionada por envolvimento ou não com a marginalidade ou por dependência química.
Instituto Vida Real
Ao longo de cinco anos, a entidade não governamental atende 75 jovens da Nova Holanda com programas educacionais como oficinas de artesanato, grafite, reforço escolar, além de cursos de inglês, informática, serigrafia, entre outros.
O Instituto Vida Real foi criado por iniciativa de Sebastião Antônio de Araújo, líder comunitário e morador da Maré. Tião, como é conhecido, nasceu na comunidade e trabalhou como inspetor nos colégios da região, onde surgiu o desejo de ajudar jovens com problemas de comportamento e também os ligados ao tráfico de drogas.

Fonte: Prefeitura do Rio