Início Plantão Rio Projetos de inclusão social para ex-detentos

Projetos de inclusão social para ex-detentos

Atualmente, há cerca de 24 mil detentos em todo o estado (1.250 mulheres e 22 mil homens), distribuídos por 44 unidades prisionais. Entre elas, estão sete hospitais e uma unidade de gestão de escolas penitenciárias, para formação dos inspetores. O Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio, é o maior do Brasil. Em 21 presídios, são ministrados mais de 20 variados cursos de capacitação profissional para ajudar na ressocialização de detentos depois que cumprem a pena.

Segundo o secretário de Administração Penitenciária, o Governo do Estado possui diversas parcerias para garantir a oferta de cursos de capacitação a apenados. A Fundação Santa Cabrini, que absorve mão de obra de presos para a confecção dos uniformes de detentos e inspetores, desenvolve, possivelmente, de acordo com César Rubens, o maior projeto dentro de sistema prisional relativo à absorção da massa de trabalho carcerário. O secretário ainda lembrou a Nova Cedae como outra importante contratadora de presos para seus projetos de plantio de árvores, sem deixar de destacar o convênio com o Estaleiro Mac Laren, que qualifica detentas nas funções de pintoras e soldadoras, sendo que algumas são aproveitadas pela empresa.

“Há outros projetos com o Senai e Sesi, em que a Firjan foi parceira montando uma escola de pintor, construção civil, de bombeiro hidráulico, panificação e eletricista. O AfroReggae tem sido parceiro na área de atividades artísticas. Estamos querendo buscar junto às empresas que prestam algum tipo de serviço, que elas disponham de um percentual para absorção destas pessoas, já que elas trabalham e ganham no sistema. Ganhamos sete prêmios de Qualidade Rio pelo trabalho desenvolvido neste sentido. Este tem sido nosso grande diferencial”, contou César Rubens.

A Fundação Santa Cabrini é o órgão estadual responsável pela gestão do trabalho realizado pelos internos do sistema penitenciário do Estado do Rio, com o objetivo de promover a ressocialização e a profissionalização do detento, facilitando sua reinserção na sociedade. A fundação oferece postos de trabalho aos presos e garante a remuneração deles.

Além da preocupação com a reinserção dos presos no mercado de trabalho, a busca por garantir cidadania aos apenados se dá, também, em outras frentes. Merecem destaque iniciativas da Secretaria de Administração Penitenciária como a concessão aos presos de certidões de nascimentos e carteiras de trabalho e de identidade; a inauguração de 18 salas de leitura para detentos, em três anos de gestão; e o combate à dengue nas penitenciárias: no último triênio, o Estado não registrou nenhum caso da doença em suas unidades prisionais.

A Secretaria também é referência nacional no sistema prisional no que se refere a equipamentos de tecnologia de ponta. O Complexo de Gericinó conta com o único scanner corporal pessoal da América Latina e Central, que garante revista minuciosa dos visitantes do sistema, sem que passem por nenhum tipo de constrangimento.

Fonte: Governo do Estado