Início Plantão Barra Retrato de Jacarepaguá

Retrato de Jacarepaguá

Jacarepaguá é um bairro movimentado. Não só pelo número de pessoas e veículos que circulam por ali, mas pelas ações da Prefeitura no local. Recentemente, foi inaugurada uma vila olímpica, iniciada a duplicação da Estrada Rodrigues Caldas, a dragagem dos rios e a operação tapa-buracos, que já faz parte da paisagem.

No entanto, nem tudo são flores. O presidente da Câmara Comunitária de Jacarepaguá (CCJ), Carlos Neves, aponta alguns problemas recorrentes na área. “Temos sérios problemas com podas de árvores e iluminação. Até as reuniões mensais entre a Subprefeitura e a Câmara estão cada vez mais escassas e os choques de ordem também não estão chegando ao bairro”, reclama.

Os índices de violência no bairro caíram, conforme estatísticas da Polícia Militar, mas a segurança ainda preocupa. “Apesar da queda da criminalidade, iluminação também é uma questão de segurança. Isso sem falar nas áreas de risco, que são muitas e não vêm recebendo a devida atenção, apesar dos nossos apelos às autoridades”, relata. A CCJ diz que já solicitou à subprefeitura a retirada dos barracos à beira do rio que corta a Freguesia, antes que uma nova tragédia aconteça, mas nada teria sido resolvido ainda.

Os moradores reclamam do constante aumento da população de rua, que até então era baixa. “Além das pessoas nas ruas, existem os menores pedindo dinheiro nos sinais de trânsito. São coisas que ainda nos afligem”, afirma. No momento, a preocupação é com a implantação do projeto “TransCarioca”, que realizará grandes intervenções no bairro. “Sabemos que é um mal necessário e esperamos uma solução imediata para o tráfego, tão logo as obras sejam iniciadas”, comenta.

Neves elogiou o projeto do Plantão Barra, comentando que “todas as vezes em que lideranças, instituições e imprensa caminham em busca de melhorias para a qualidade de vida do bairro é um trabalho louvável”. “Vemos com bons olhos essa iniciativa e nos colocamos à disposição para colaborar com o programa”, acrescentou.

Fonte: Margareth Santos