Início Plantão Brasil Sabotagem do sistema metroviário no DF

Sabotagem do sistema metroviário no DF

Dezesseis funcionários do Metrô do Distrito Federal foram afastados temporariamente de suas funções por suspeita de planejarem sabotar as operações da companhia, interrompendo a circulação de trens. Os metroviários da capital federal estão em greve desde o último dia 12.
 
Segundo a assessoria da companhia, os servidores não voltarão ao trabalho até que a Polícia Civil apure se, de fato, são eles os autores das mensagens publicadas em um site de relacionamentos pessoais. Conforme noticiou o jornal Correio Braziliense, alguns usuários do site, funcionários do Metrô-DF, planejavam sobrecarregar a capacidade energética de operação das linhas, interrompendo assim o funcionamento dos vagões.
 
Além de acionar a Polícia Civil, que instaurou um inquérito para investigar a denúncia, a companhia também apresentou uma notícia-crime ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).
 
Na sexta-feira (23), o Metrô-DF divulgou uma nota na qual diz que “a segurança do sistema metroviário está preservada e todos os procedimentos executados, rotineiramente, estão sendo reforçados”.
 
O Sindicato dos Metroviários (Sindmetrô/DF) informou que, “se confirmado, o episódio se trata de um fato isolado em que pessoas que não representam o sindicato e os demais trabalhadores emitem opiniões pessoais”. A entidade adianta que caso se comprove que os autores das mensagens são metroviários sindicalizados “o descuido e os exageros” serão analisados pelo Conselho de Ética do sindicato. Segundo a entidade, não existe qualquer possibilidade de se sabotar o sistema metroviário.
 
O Sindmetrô/DF diz que, ao contrário da denúncia, a greve que já dura 13 dias passa “quase que despercebida” pela direção da companhia. Já o Metrô-DF, em nota, sustenta que a paralisação ocorre em um momento “inoportuno”, já que a data-base da categoria está marcada para abril.
A companhia entrou com uma ação de Dissídio Coletivo de Greve no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Duas audiências já ocorreram: uma no TRT e outra no Ministério Público do Trabalho (MP), mas não se chegou a um acordo entre as partes, já que o sindicato recusou as propostas apresentadas, inclusive a da Justiça trabalhista.
 
A Justiça determinou que a companhia mantivesse no mínimo nove trens nos horários do pico e seis nos horários de menor movimento. A assessoria do Metrô-DF e funcionários ouvidos pela Agência Brasil informaram que a determinação está sendo cumprida de forma a não prejudicar a população. O tempo de espera, contudo, é mais que o dobro do normal: entre 20 e 30 minutos, segundo os mesmos servidores.
 
A assessoria da companhia disse que o impasse não deverá ser resolvido antes do fim do recesso do Judiciário, no próximo dia 9. Os transtornos, contudo, são amenizados, segundo a assessoria, pelo fato de que o movimento nesta época do ano costuma ser 30% inferior que o normal.
O governo do Distrito Federal determinou que a frota de ônibus fosse reforçada. De acordo com a assessoria da companhia, o movimento nas estações pode ser considerado normal para esta época do ano.

Fonte: Agência Brasil