Início Plantão Barra Tiroteio na Praça Seca deixa moradores em pânico

Tiroteio na Praça Seca deixa moradores em pânico

A coisa tá feia na Praça Seca, em Jacarepaguá. No sábado, dia 9, dois dias após a ocupação policial do Morro da Covanca, em Jacarepaguá, moradores da região voltaram a viver momentos de pânico e tensão.  Por volta das 18h houve intensa troca de tiros entre milicianos e traficantes, próximo ao Morro São José Operário.

Fotos postadas no Facebook mostram bandidos armados com fuzis e pistolas nas ruas Marangá e Baronesa

Foto:  Reprodução Internet

Segundo moradores, o tiroteio começou por volta das 18h e durou, pelo menos, uma hora. Um rapaz contou que a troca de tiros teria acorrido após grupo de milicianos resgatar mototaxista que teria sido sido sequestrado por traficantes. Fotos postadas no Facebook mostram bandidos armados com fuzis e pistolas nas ruas Marangá e Baronesa, em plena luz do dia. Os disparos teriam atingido um conjunto de prédios no bairro. Domingo não houve confrontos.

 

 

Pelo twitter (@sospracaseca), internautas pediram a presença do Bope e de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no Morro São José. Eles afirmaram que bandidos teriam saído da Covanca para a comunidade alvo do tiroteio no sábado. “Fica complicado ir e vir. Nos aprisionamos em nossas residências. Tenso”, disse uma moradora, na rede social.

 

 

Uma outra internauta reclamou da ausência da PM no local. “Tiroteio intenso na Praça Seca hoje e em plena luz do dia, a base da PM que instalaram na entrada da Covanca, de nada adiantou?”, questionou ela.

 

 

A Polícia Militar informou desconhecer a denúncia de que o tiroteio teria sido provocado após o resgate do mototaxista. Segundo nota divulgada, policiais do 9º BPM (Rocha Miranda) foram ao Morro São José, assim que souberam da troca de tiros. O comandante Miguel Ramos informou que o policiamento nos principais acessos da comunidade foi reforçado. Não há informação de feridos.

 

 

Na quinta-feira, dia 7, a Covanca recebeu o reforço de 60 PMs, que passaram a integrar a nova companhia destacada para a comunidade. Em setembro, o subtenente Marco Antônio Gripp foi morto após ter sido baleado durante operação na área. Na ação, outros dois policiais ficaram feridos. O PM era do Bope e integrava operação montada para combater a violência no local. Ele era policial há 27 anos.