Início Plantão Rio Trabalhar à noite aumenta o risco de câncer de mama

Trabalhar à noite aumenta o risco de câncer de mama

Mulheres que trabalham em turnos noturnos têm um risco 30% maior de desenvolver câncer de mama em relação às funcionárias que cumprem o horário convencional (ou comercial). Essa é a conclusão de um estudo que acaba de ser publicado pela revista científica International Journal of Cancer.

 

 

A investigação, que envolveu 3.000 mulheres, foi conduzida por pesquisadores franceses do Inserm (Instituto Nacional da Saúde e Pesquisa Médica). Eles se basearam em levantamentos populacionais feitos entre 2005 e 2008. Mais de 11% das mulheres analisadas tinham trabalhado à noite em algum momento. Os riscos de apresentar um tumor foram maiores entre as que passaram por essa experiência por mais de quatro anos e entre aquelas que haviam trabalhado à noite antes da primeira gravidez.

 

 

Não é a primeira vez que o trabalho noturno é associado a um risco maior de câncer de mama. Em maio, o Inca (Instituto Nacional do Câncer) divulgou um estudo sobre o aspecto ocupacional do tumor que citava a suscetibilidade das enfermeiras – justamente porque muitas trabalham à noite.

 

 

A explicação mais aceita pelos médicos é a de que se expor à luz artificial à noite reduz a secreção da melatonina, responsável pelos receptores hormonais, pelo sistema imune e pelo sono. Essa desregulação hormonal teria ligação com o tumor. Em 2010, a Agência Internacional para Pesquisa de Câncer classificou as atividades profissionais que perturbam o ritmo circadiano, como o turno noturno, como “provavelmente cancerígenas”.

Estatísticas, diagnósticos e tratamento – Dados do Inca apontam que neoplasia mamária é a segunda mais frequente no mundo e a mais comum entre as mulheres – são 22% de casos novos em relação ao mesmo período do ano anterior.

 

A doença apresenta 95% de chance de ser curada, quando o nódulo é menor que um centímetro, porém o auto-exame não consegue detectar nessa fase. “A mamografia é uma das principais formas para diagnóstico da doença em estágio inicial, fato importantíssimo para o sucesso do tratamento”, ressalta o oncologista Dr. Ricardo Caponero.

 

Além de advertir sobre a necessidade da prevenção, o Dr. Caponero mostra que os recursos estão cada vez maiores às mulheres que irão passar pelo tratamento quimioterápico. “É sempre bom destacar que a medicina avança a passos largos e dispõe de uma série de medicamentos para salvar vidas e garantir maior conforto à paciente mesmo nos casos avançados do câncer de mama e ovário. Uma das opções é a doxorrubicina lipossomal peguilada, mais conhecida como DLP, que além dos eficazes resultados provoca a diminuição dos temíveis efeitos colaterais, como náuseas, vômitos e queda de cabelo”, finaliza.

No Brasil, a doxorrubicina lipossomal peguilada é comercializada como Doxopeg®.

COMO PREVENIR O CÂNCER

Segundo o oncologista Dr. Ricardo Caponero, cerca de 30% a 40% dos cânceres podem ser evitados com bons hábitos:
• Não fume – o cigarro é responsável por 30 % das mortes de câncer;
• Mantenha uma dieta equilibrada rica em frutas e verduras; por outro lado, reduza proteína animal do cardápio;
• Procure ficar no seu peso ideal, evitando sobrepeso ou obesidade;
• Quadros infecciosos causados por vírus ou bactérias estão relacionados com 17% de todos os cânceres;
• É fundamental adotar um comportamento de sexo seguro, é importante ainda vacinar as adolescentes contra o HPV, antes do início da vida sexual.

Contato com a imprensa: RS Press: (11) 3875-5627/3875-6296