Início Plantão Brasil Vacinação contra pólio

Vacinação contra pólio

Começa no próximo sábado (12), em todo País, a primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Poliomielite. Em clima de Copa do Mundo, o slogan será “Vacinou, é gol” e o Zé Gotinha, principal personagem da campanha, vai entrar em campo com o uniforme verde-amarelo da seleção. Nesta primeira fase, a meta é imunizar 14,6 milhões de crianças, o que representa 95% dos menores de cinco anos. A segunda dose da vacina será aplicada em 14 de agosto.

Para cada etapa da campanha, o Ministério da Saúde distribuirá cerca de 24 milhões de doses da vacina contra a paralisia infantil, totalizando 48 milhões de doses. Em parceria com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, a imunização mobilizará 115 mil postos, envolvendo aproximadamente 350 mil pessoas e 42 mil veículos (terrestres, marítimos e fluviais).

Os investimentos para operacionalização da campanha somaram R$ 40,9 milhões, sendo R$ 20,8 milhões para aquisição das vacinas (por parte do Ministério) e R$ 20,1 milhões em repasses para Estados e Municípios (para apoio logístico da campanha).

UF População de
menores de 5 anos Quantitativo
de vacinas (somente 1ª etapa) Valor total por UF
(para as duas etapas)
R$
REGIÃO NORTE
RONDONIA 136.446 204.700 320.881,35
ACRE 85.233 127.900 197.385,12
AMAZONAS 360.730 541.100 869.315,52
RORAIMA 52.032 78.100 122.620,03
PARA 757.388 1.136.100 1.815.880,71
AMAPA 78.677 118.100 186.414,61
TOCANTINS 123.919 260.000 301.088,83
REGIÃO NORDESTE
MARANHAO 661.482 992.300 1.596.379,33
PIAUI 295.632 600.000 390.866,98
CEARA 740.609 1.111.000 975.691,12
RIO GRD DO NORTE 267.443 401.200 348.062,33
PARAIBA 317.982 477.000 414.646,32
PERNAMBUCO 751.491 1.000.000 983.709,67
ALAGOAS 331.511 497.300 434.508,49
SERGIPE 195.603 293.500 255.218,69
BAHIA 1.276.356 1.900.000 1.678.006,67
REGIÃO SUDESTE
MINAS GERAIS 1.473.706 2.210.000 1.941.305,75
ESPIRITO SANTO 277.515 416.300 363.502,06
RIO DE JANEIRO 1.133.442 1.700.200 1.494.437,84
SAO PAULO 3.056.964 5.000.000 2.316.884,08
REGIÃO SUL
PARANA 770.352 1.155.600 581.049,63
SANTA CATARINA 429.887 644.900 322.146,94
RIO GRD DO SUL 704.569 1.056.900 533.434,95
REGIÃO CENTRO OESTE
MATO GR. DO SUL 206.003 309.100 264.242,52
MATO GROSSO 262.331 393.500 622.037,40
GOIAS 471.449 900.000 615.422,01
DISTRITO FEDERAL 221.065 331.600 168.117,39
BRASIL 15.439.817 23.856.400 20.113.256,36

GRIPE H1N1– O Ministério da Saúde recomenda que cada município adote estratégias, de acordo com a realidade local, para vacinar os grupos que ainda estão com baixa cobertura. No caso das crianças de 2 anos a menores de 5 anos, muitos municípios aproveitarão a primeira etapa da campanha nacional contra a paralisia infantil para imunizar as crianças que ainda não se vacinaram contra a gripe H1N1.

Nos municípios que irão vacinar as crianças contra a gripe, junto com a imunização contra a pólio, as vacinas contra o vírus H1N1 só estarão disponíveis postos fixos de vacinação (postos de saúde, por exemplo) e não nas unidades volantes. A orientação para os pais ou responsáveis é que procurem informações junto à Secretaria de Saúde do seu município para saber sobre locais de vacinação, horário de funcionamento e disponibilidade da vacina contra a gripe H1N1 para as crianças.

Já é praxe que nos dias de campanha contra a pólio as equipes de saúde aproveitem para atualizar o cartão de vacinas da criança, contra doenças como coqueluche, sarampo, difteria, rubéola, tétano e rotavírus. A atualização de outras vacinas também ocorre apenas em postos fixos. Em geral, tomar duas ou mais vacinas no mesmo dia não oferece risco à saúde das crianças. Na dúvida, pais ou responsáveis devem consultar um médico.

É importante lembrar que, após tomar a vacina, o organismo leva até 14 dias para estar totalmente protegido. As pessoas devem procurar a Secretaria de Saúde do seu município para buscar orientações sobre dias e horários de funcionamento dos postos.

Outro ponto importante é sobre a vacinação diferenciada das crianças, que precisam tomar duas meias doses da vacina, para garantir uma imunização completa contra o vírus da gripe H1N1. A segunda dose deve ser tomada 21 dias depois da primeira. Neste caso, se a criança tomar a primeira dose no dia da campanha da paralisia infantil, os pais e responsáveis devem ficar atentos para levá-las aos postos novamente, para a segunda dose.

BRASIL SEM PARALISIA INFANTIL – O Brasil está livre do vírus causador da pólio desde 1989, quando o último caso da doença foi registrado, na Paraíba. Em 1994, o país recebeu da Organização Mundial de Saúde (OMS) o certificado de eliminação da poliomielite. No entanto, enquanto houver circulação do vírus em qualquer região do mundo é necessário continuar com a vacinação, pois há o risco de importação de casos provenientes de países que ainda registram casos da doença, como Paquistão, Índia, Afeganistão e Nigéria.

SOBRE A VACINA DA PÓLIO – Oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a vacina contra a paralisia infantil é administrada via oral e está disponível durante todo o ano nos postos de saúde para as vacinações de rotina. No entanto, é importante que todas as crianças menores de cinco anos (de 0 a 4 anos 11 meses e 29 dias) tomem as duas doses da vacina durante a Campanha Nacional, mesmo que já tenham sido vacinadas anteriormente.

A poliomielite é uma doença infecto-contagiosa grave. Na maioria das vezes, a criança não morre quando é infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia, principalmente nos membros inferiores. A doença é causada e transmitida por um vírus (o poliovírus) e a contaminação se dá principalmente por via oral.

Fonte: Ministério da Saúde